Bruxelas vê PIB português a contrair 6,8% este ano, com “dependência” do turismo a pesar

Comissão Europeia diz que pandemia mudou o rumo do “forte desempenho” que a economia portuguesa apresentava até fevereiro. Depois da forte queda deste ano, projecta uma recuperação de 5,8% em 2021. Procura interna deverá contrair substancialmente e exportações e importações caem a dois dígitos.

A Comissão Europeia projecta um tombo da economia nacional de 6,8% este ano, antes de recuperar para um crescimento de 5,8% em 2021. Nas projeções de Primavera, divulgadas esta quarta-feira, o executivo comunitário calcula o impacto que a pandemia do novo coronavírus tem na economia portuguesa, vendo o PIB nacional a contrair ligeiramente menos do que a média da zona euro e do que o estimado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para este ano.

“A economia de Portugal vinha a apresentar um forte desempenho até ao final de fevereiro de 2020, mas a situação económica mudou drasticamente em março, quando ocorreu a pandemia da Covid-19”, dizem os peritos de Bruxelas.

Depois de um crescimento da economia portuguesa de 2,2% no ano passado, a Comissão Europeia projecta que o PIB “permaneça abaixo dos níveis de 2019 até 2021”. Calcula que a contração do PIB seja de 6,8%, abaixo do tombo de 8% projectado pelo FMI, porém mais pessimista do que o Banco de Portugal. Em março, o regulador estimava num cenário base uma redução de 3,7% do PIB este ano e de 5,7% num cenário adverso.

A queda da economia portuguesa será, nas projeções de Bruxelas, inferior à da zona euro, que deverá cair 7,7% e 7,4% na União Europeia. Porém, calcula em 2021 recupere para 5,8%, enquanto a zona euro deverá crescer 6,3% e a União Europeia 6,1%.

Realçando que o Governo anunciou as medidas de contenção a 12 de março e um estado de emergência a 18 de março, com restrições à mobilidade, assinalam que “muitas empresas suspenderam as operações, sendo o turismo o mais atingido”.

“Os riscos estão inclinados para o lado descendente, dada a dependência de Portugal do turismo estrangeiro”, refere.

Taxa de exportações e importações caem a dois dígitos 

A Comissão Europeia projecta uma queda acentuada na generalidade das componentes do PIB. A procura interna deverá “contrair-se substancialmente” este ano, mas também as exportações e importações seria fortemente atingidas pelo impacto da pandemia do novo coronavírus, antes de recuperarem no ano seguinte.

“Prevê-se que as exportações e importações caiam a taxas de dois dígitos em 2020 e recuperem substancialmente em 2021”, assinalam. De um crescimento de 3,7% em 2019, as exportações devem contrair 14,1% este ano e recuperar fortemente para 13,2% no ano seguinte. O turismo será o principal responsável, a refletir as menores receitas que Portugal obtém de turistas estrangeiros, que representaram “cerca de 8,7% do PIB no ano passado”, assim como “as medidas de distanciamento social” que afetam os serviços durante o segundo semestre de 2020.

Também as importações vão cair de 5,2% em 2019 para -10,3% este ano, devido à “forte queda no investimento em equipamentos e no consumo de bens duradouros”, compensando “parcialmente a queda nas exportações”. As importações deverão voltar crescer 10,3% em 2021.

“Em termos nominais, também se espera que a balança comercial beneficie da queda nos preços do petróleo”, explicam.

Bruxelas prevê ainda que o consumo privado caia a uma taxa ligeiramente menos do que o PIB (-5,8% este ano), uma vez que “as medidas políticas compensam parcialmente as perdas de rendimento das famílias”. O investimento em equipamentos deverá ser o mais atingido, em resultado da incerteza e interrupções nas supply chain. 

Por outro lado, o investimento em construção deverá resistir, “beneficiando do ciclo e da recém-introduzida flexibilidade nos fundos da União Europeia”.

Relacionadas

Recessão recorde: Bruxelas prevê contração de 7,75% na economia da zona euro em 2020

Nas projeções económicas da primavera, a Comissão Europeia adiantou que prevê uma retoma para 2021, com a zona euro a crescer 6,25% e a UE a recuperar 6%.

Défice português dispara para 6,5% e peso da dívida pública para 131,6% este ano, estima Comissão

Bruxelas aponta para uma “deterioração considerável” no saldo das administrações públicas este ano, com o défice a atingir os 6,5% este ano, caindo para 1,8% do PIB em 2021. Portugal será terceiro país da União Europeia com o rácio da dívida pública face ao PIB mais elevado, apenas superado pela Grécia e Itália.

Desemprego em Portugal deverá disparar para perto de 9,5% em 2020, prevê a Comissão Europeia

“Muitos dos cortes de empregos serão provavelmente temporários, mas a expectativa de uma recuperação lenta dos serviços de turismo e atividades relacionadas irá provavelmente ter um impacto negativo na procura por emprego num período mais prolongado”, afirmou a Comissão Europeia.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários