CaixaBank sobe preço da OPA sobre o BPI para 1,134 euros

Inicialmente, os catalães tinham oferecido 1,113 euros por ação.

O CaixaBank subiu o preço da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o BPI. “A contrapartida oferecida é de 1,134 euros”, adiantam os catalães em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliáriops (CMVM).

Os 1,134 euros por título, representam um aumento de 1,9% face ao preço anterior (1,113 euros). Esta revisão em alta do preço surge depois da aprovação, em Assembleia Geral (AG), da desblindagem dos estatutos do BPI. O Código dos Valores Mobiliários designa que agora que os catalães mandam no banco, com os 45% de direitos de voto, a OPA tem de passar a obrigatória.

 

Relacionadas

CaixaBank forçado a lançar OPA obrigatória ao BPI

O CaixaBank terá, em princípio, de fazer um novo anúncio preliminar, mas há opiniões jurídicas divergentes. A OPA obrigatória não pode ter condições de eficácia.

Artur Santos Silva diz que BPI está empenhado em comprar o Novo Banco

Processo de venda direta do Novo Banco estava pendente desta decisão da AG do BPI. A venda direta é o caminho prioritário para vender o banco. Uma venda da totalidade do capital repartido por institucionais é para já um plano alternativo.

BPI consegue desblindar os estatutos

Assembleia Geral do BPI vota proposta para desblindagem dos estatutos.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários