CAP, IEFP e ANAPEC assinam acordo para recrutar 400 trabalhadores marroquinos para agricultura

Projeto piloto com início ainda em 2022 tem como objetivo o levantamento das necessidades, negociação e partilha das ofertas de emprego, a informação pré-partida aos candidatos relativa às condições de vida e trabalho em Portugal, o recrutamento e seleção dos trabalhadores, em Marrocos e o acompanhamento da integração dos trabalhadores nas empresas associadas.

A Agência Nacional de Promoção do Emprego e de Competências (ANAPEC), o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e Confederação de Agricultores de Portugal (CAP) assinaram esta quarta-feira, 28 de setembro, um memorando de entendimento para o recrutamento de cerca de 400 trabalhadores marroquinos para as campanhas agrícolas de 2023.

Este projeto piloto vai ter início ainda em 2022 e tem como objetivo o levantamento das necessidades, negociação e partilha das ofertas de emprego, a informação pré-partida aos candidatos relativa às condições de vida e trabalho em Portugal, o recrutamento e seleção dos trabalhadores, em Marrocos, e o acompanhamento da integração dos trabalhadores nas empresas associadas.

O memorando vem no seguimento de um acordo assinado em janeiro por Portugal e Marrocos relativo ao emprego e à estada dos trabalhadores marroquinos em Portugal, de forma a facilitar os fluxos de migração laboral legal e segura entre os dois países.

No lado do IEFP existirá entre outras medidas uma colaboração numa primeira fase com a CAP para a seleção das empresas a envolver e dos perfis a considerar no projeto piloto, bem como assegurar os procedimentos para recolha e tratamento das ofertas de emprego, analisar as condições de trabalho, remuneratórias e outras oferecidas pelas empresas e valida as ofertas de emprego.

Por sua vez, caberá à ANAPEC definir os procedimentos necessários ao recrutamento e seleção dos trabalhadores, além de divulgar publicamente as ofertas de emprego portuguesas, pré-selecionar os trabalhadores, maiores de 18 anos, e que reúnam as condições exigidas pelos empregadores, ficando também responsável por apoiar os trabalhadores selecionados pelas empresas na instrução do pedido dos vistos necessários a trabalhar em Portugal.

Por parte da CAP fica a obrigação de contribuir para a seleção das empresas a envolver no projeto piloto, identificar, em colaboração com a ANAPEC e o IEFP, IP, os perfis profissionais a considerar no projeto piloto, procurando a sua diversificação em termos de qualificações e de acompanhar a integração dos trabalhadores nas empresas associadas.

Recomendadas

Ministra da Agricultura: direções regionais não vão ser extintas

Maria do Céu Antunes esclareceu que as direções regionais de agricultura não vão ser extintas no âmbito da transferência de competências para as comissões de coordenação e desenvolvimento regional.

Seca: Barragem de Mirandela está a perder a pouca água que tem para regadio

O presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Vale Madeiro, Emanuel Batista, disse hoje que a barragem de regadio do distrito de Bragança em situação mais crítica está a perder a pouca água que tem.

Agricultores acusam governo de matar as Direções Regionais de Agricultura e desmantelar o sector

CAP e CONFAGRI estão incrédulas com a decisão do Governo de extinguir as Direções Regionais de Agricultura e transferir as suas competências para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional. “É uma medida abusiva, absurda, antidemocrática e inaceitável”, afirma a histórica estrutura liderada por Eduardo Oliveira e Sousa.
Comentários