Capgemini Portugal estima que receitas cresçam 16% em 2022 e tem 600 vagas de trabalho por preencher

A consultora tecnológica revelou ainda que está prestes a lançar o quarto laboratório de investigação no país, que será dedicado à cibersegurança da computação quântica e para a qual estão alocados cinco doutorados.

A subsidiária portuguesa da Capgemini, consultora tecnológica com sede em França, prevê fechar este ano com um crescimento na faturação de 16% comparativamente a 2021, quando registou receitas de 162 milhões de euros, e um aumento de 18% no número de colaboradores, que lhe permitirá ultrapassar os 4 mil trabalhadores no país.

Apesar da crise económica, a Capgemini Portugal mantém-se otimista na subida a dois dígitos quer “por faltarem três meses para dezembro” quer por ter expandido o negócio e recursos de forma cautelosa ao longo dos últimos anos, o que impede um cenário de cortes como está a acontecer em diversos concorrentes.

Aliás, tem 600 vagas de emprego por preencher neste momento até ao final do ano “se for possível”, reconheceu esta terça-feira Cristina Rodrigues, administradora-delegada e membro do conselho de administração da Capgemini Portugal, num evento com jornalistas organizado para apresentar a nova estrutura organizacional, resultante da conclusão do processo de aquisição da Altran e da consequente criação da marca Capgemini Engineering.

“Vamos crescer, embora as tecnológicas não sejam exceção à crise decorrente da situação geopolítica. Fomos criando mecanismos de proteção e desde 2017 que crescemos cerca de 20% ao ano”, disse Cristina Rodrigues, na sessão que se realizou esta terça-feira na Pousada de Lisboa.

Presente em Portugal há 25 anos, mais precisamente desde fevereiro de 1997, a Capgemini Portugal tem hoje uma equipa de 3.600 profissionais de 49 nacionalidades distintas, seis escritórios (Lisboa, Porto, Fundão e Évora), quatro “Labs” (de Mobilidade, 5G, Media e “Quantum”), dois hubs (de CRM – Customer Relationship Management com Salesforce e Dynamics e de low code com Outsystems).

Segundo Cristina Rodrigues, “em Portugal, como de resto em todo o mundo, temos tido um percurso de crescimento e para podermos responder ao aumento das solicitações dos nossos clientes, que decorrem da acelerada transformação digital em curso, temos vindo a aumentar a nossa equipa com mais especialistas”. “Este ano a nossa ambição é chegarmos ao final do ano com mais de 4 mil colaboradores”, reforça.

A nova estrutura da empresa, além da área de Funções de Suporte Global (Jurídico, Financeiro, Recursos Huamanos, Marketing e Comunicação, Procurement e Tecnologias da Informação) conta com a área de ABL – Application Business Lines (Serviços de Gestão de Aplicações, Cloud & Customer Applications e Experiência do Cliente Digital) e com a referida Capgemini Engineering, que agrega a oferta de Intelligent Industry e Engenharia e R&D e é liderada pela engenheira Maria da Luz Penedos.

“O mercado português é pequeno e compete com as outras empresas internacionais, mas nós também vamos buscar os recursos onde achamos mais apetecível e onde existem competências, como é o caso do Brasil, do México e da Argentina”, comentou a diretora geral da Capgemini Engineering, em declarações aos meios de comunicação social em relação à guerra do talento tecnológico.

Relacionadas

Capgemini reforça presença em Portugal e cria 700 novos postos de trabalho

Nova área de pesquisa e desenvolvimento focada nas tecnologias mais recentes e sofisticadas para a condução autónoma segura, arranca com mais de 350 colaboradores. A área de negócio para a indústria automóvel em Portugal gera um volume de negócios anual de mais de 25 milhões de euros.
Recomendadas

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

PremiumGoverno acusado de favorecer vencedores dos leilões de energia solar

Governo aprovou medidas para os projetos obterem financiamento e saírem do papel, mas vários promotores consideram medida injusta para o restante sector. Tutela fala de “circunstâncias imprevisíveis” como a Covid e a guerra.

Mais de 30% dos empresários considera que semana de 4 dias só beneficia trabalhadores

Mais de um terço dos empresários considera que a semana de quatro dias apenas será benéfica para os trabalhadores, enquanto cerca de um terço acredita que não traz benefícios a qualquer das partes, segundo um estudo da AEP, hoje divulgado.
Comentários