Casa Branca admite riscos de recessão com inflação elevada (com áudio)

Diretor do Conselho Económico Nacional da Casa Branca, Brian Deese, reconheceu que é sempre possível que a economia norte-ameticana mergulhe numa recessão, dados os desafios globais e as medidas monetárias tomadas para fazer face à elevada taxa de inflação, a mais alta desde o início dos anos 80 do século passado.

A Administração dos Estados Unidos da América (EUA) reconheceu que existem “riscos” de recessão, ao mesmo tempo que o país vive uma elevada inflação, e sublinhou que a economia está num período de “transição” após o impacto da pandemia de Covid-19.
Numa entrevista à cadeia de televisão CNN, o diretor do Conselho Económico Nacional da Casa Branca, Brian Deese, reconheceu, sobre a possibilidade de uma recessão, que “há sempre riscos”, dados os desafios globais e as medidas monetárias tomadas para fazer face à elevada taxa de inflação nos Estados Unidos, a mais alta desde o início dos anos 80 do século passado.
“A nossa economia está a transitar daquela que tem sido a recuperação mais forte da história moderna dos Estados Unidos para o que pode ser um período de crescimento mais estável e resiliente que funciona melhor para as famílias”, disse.
A Reserva Federal, o banco central dos Estados Unidos, manteve as taxas de juro diretoras entre 0% e 0,25% durante dois anos para estimular a economia, mas este ano inverteu esta política e já aprovou dois aumentos consecutivos para conter a subida dos preços. Assim, a taxa de juro oficial da maior economia do mundo está entre 0,75% e 1%, prevendo-se aumentos adicionais no preço do dinheiro nos EUA, nos próximos meses.
Deese sublinhou que é necessário dar à Reserva Federal “independência” para fazer o seu trabalho, notando que “tem os instrumentos para combater a inflação”.
De acordo com os dados do Departamento de Comércio, a inflação nos Estados Unidos mantém-se em níveis não observados há 40 anos, embora tenha moderado ligeiramente em abril, para 8,3%, menos duas décimas do que em março.
Entretanto, a taxa de desemprego nos Estados Unidos, em abril, situou-se em 3,6%, a mais baixa em dois anos.

Relacionadas

Wall Street: temores de recessão atiram índices para o vermelho

Com as consultoras a tentarem perceber o grau de probabilidades de a economia norte-americana entrar em recessão, os investidores começam a procurar cada vez mais outro tipo de ativos, mas seguros para os tempos que se avizinham.

EUA: Que impacto terá a subida histórica das taxas de juro? Ouça o podcast do JE “Mercados em Ação”

Que impacto terá esta decisão da Fed na economia norte-americana e mundial? A reação do BCE a esta decisão e a época de resultados trimestrais nos EUA e Portugal também irão merecer a análise de Steven Santos, diretor das áreas de corretagem e de plataformas de trading do banco BiG.

Presidente da Fed de Nova Iorque defende subida rápida das taxas de juro

O banco central norte-americano anunciou na passada quarta-feira uma subida da taxa dos fundos federais em 50 pontos base, o primeiro aumento desta dimensão desde 2000, para tentar controlar a inflação. John Williams quer mais.
Recomendadas

Operação Marquês. Conselho da Magistratura conclui que substituição “não viola princípio do juiz natural”

O Conselho Superior da Magistratura esclareceu hoje, acerca das críticas do ex-primeiro-ministro José Sócrates, que a substituição da juíza do processo separado da Operação Marquês, através do movimento de magistrados, “não viola o princípio do juiz natural”.

Espanha agrava impostos sobre lucros de petrolíferas e elétricas em 2023

Espanha vai avançar com o agravamento de impostos sobre os lucros das empresas energéticas, atendendo à subida dos preços, anunciou este sábado o primeiro-ministro Pedro Sánchez.

Espanha destina mais nove mil milhões até final do ano para responder a subida de preços

O governo espanhol aprovou este sábado um novo plano para responder ao impacto da guerra na Ucrânia na economia e ao aumento dos preços, no valor de nove mil milhões de euros até ao final do ano.
Comentários