CDS-PP quer reforço de verbas e colaboração com privado para responder a listas de espera na saúde

Os centristas propõem ainda uma colaboração entre o Serviço Regional e Nacional de Saúde, e os privados de modo a que se reduza as listas de espera.

O CDS-PP apresentou esta sexta-feira uma conjunto de medias com o intuito de reduzir as listas de espera na saúde. uma das propostas contempla um reforço de verbas, por parte do executivo madeirense, de modo a que os médicos possam conceder mais horas para operar.

As medidas propostas pelos centristas prevê ainda que os privados integrem este programa, que tem por objetivo baixar as listas de espera, e se esta solução não for possível, o CDS-PP propõe parcerias com o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e com os privados que operem no continente.

“A situação que se vive na Madeira ao nível da espera para cirurgias e consultas é absolutamente inaceitável”, denunciou Mário Pereira, deputado do CDS-PP.

O centrista diz que actualmente os doentes “esperam, em média, três anos e meio por uma cirurgia” e que a siutação se tem agravado de ano para o ano.

“A situação agrava-se sem que o Governo Regional tenha apresentado uma iniciativa capaz de resolver o problema”, reforça o deputado.

Mário Pereira refere que o programa de recuperação de cirurgias do Governo Regional “foi um fracasso” tendo em conta a subida no número de doentes.

Devido a isto o centrista lembra que é preciso cooperação entre o SNS e o Serviço Regional de Saúde da Madeira, de modo a reduzir as listas de espera, num sistema que atualmente já funciona entre o Continente e os Açores.

Recomendadas

Madeira promove conferências sobre património cultural imaterial da região

A primeira conferência dará mote ao tema “Património Cultural Imaterial: Conceitos, Domínios e Inventário”. A segunda conferência é intitulada “Ter começado é meio caminho andado”, e aborda o papel da Secretaria Regional de Turismo na preservação deste património.

Funchal já aprovou 160 mil euros dos apoios municipais “Alavancar” e “Re-Abrir”

No total, são 500 mil euros disponíveis, a fundo perdido, dos quais 32% estão aprovados.

Um senhorio pode aumentar a renda em mais de 50%? Saiba aqui

O aumento da renda da casa é uma das preocupações mais comuns e que, na verdade, resulta da subida da inflação. Mas, apesar de haver algumas exceções, dependendo de contrato para contrato, os senhorios têm de respeitar algumas regras para proceder ao aumento da renda.
Comentários