Centeno: Trajetória de redução da dívida “determinará sucesso da economia portuguesa”

Mário Centeno, governador do Banco de Portugal, afirma que uma trajetória de redução da dívida pública “é muito importante e determinará muito do sucesso da economia portuguesa”.

Cristina Bernardo

Portugal retomou a redução da dívida pública, depois de a crise pandémica ter interrompido o caminho que estava a ser feito. Será esta trajetória, diz Mário Centeno, governador do Banco de Portugal, que irá determinar o sucesso da economia nacional.

“A pandemia implicou – e não devemos ficar demasiado preocupados com isso – um aumento da dívida” e esse “aumento foi mais elevado nos países que já registavam níveis de dívida superiores”, nomeadamente Portugal, afirmou Mário Centeno na conferência “O Orçamento do Estado para 2022”, organizada pela Ordem dos Economistas em parceria com o Institute of Public Policy, que tem o Jornal Económico como media partner.

Ainda assim, disse o governador do Banco de Portugal, “as perspetivas atuais e as estimativas dos próximos anos” mostram que “é precisamente nestes países em que a reversão se está a fazer de forma mais rápida”, notando que “Portugal assume mais uma vez um papel de destaque na redução da dívida pública”, o que “significa que temos boas perspetivas de retomar uma trajetória particularmente virtuosa”.

“Esta trajetória é muito importante e determinará muito do sucesso da economia portuguesa”, sublinhou Mário Centeno.

Na mesma conferência realizada esta sexta-feira, Fernando Medina, ministro das Finanças, enfatizou que, apesar das regras orçamentais estarem suspensas, é preciso acelerar o cumprimento do objetivo de retirar Portugal da lista dos países mais endividados. Pois, referiu, finanças públicas mais equilibradas são a melhor forma de “manutenção do poder de compra das famílias”.

“Daí a importância em não abrandar, direi mesmo, em acelerar o cumprimento deste objetivo, que é um objetivo estratégico para o país, que é retirar Portugal da lista do top dos países com maior dívida pública da Europa”, referiu Medina, notando que o Governo não faz isso para ser “bom aluno”, mas “porque é a melhor forma de defender a economia e assegurar margem para futuro”.

Relacionadas

Medina diz que “melhor estratégia” passa por “repartir esforços perante surto de inflação”

O Orçamento do Estado para 2022 “protege o país do presente e investe no futuro”. Quem o diz é Fernando Medina, que defendeu que, face a atual conjuntura, é preciso “repartir os esforços perante o surto imprevisto de inflação”.

OE2022 “deixa a desejar”. Economistas defendem reforma do sistema fiscal e da administração pública

Olhando lá para fora, o Bastonário defende um aprofundamento da União Europeia, com partilha de soberanias e um sentido de pertença coletiva. “A zona euro, enquanto expressão mais avançada do projeto de integração, necessita de uma política macroeconómica integrada se se quiser afirmar” no panorama global.
Recomendadas

MNE espera que conferência da ONU dê “ímpeto decisivo” para mudar relação com o mar

A posição foi transmitida na cerimónia de hastear da bandeira das Nações Unidas (ONU), na Altice Arena, em Lisboa, assinalando a realização da segunda Conferência dos Oceanos da ONU, coorganizada pelos governos de Portugal e do Quénia.

BIS: Inflação alta exige medidas decisivas e atempadas dos bancos centrais

A “prioridade dos bancos centrais é recuperar uma inflação baixa e estável. Ao fazê-lo, devem procurar minimizar o impacto na atividade económica, salvaguardando assim a estabilidade financeira”, defende o Bank for International Settlements (BIS).

Proteção de Dados avisa que proposta de lei dos metadados fere direitos fundamentais

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) critica, num parecer, o facto de o acesso aos metadados por parte do Ministério Público e polícias não estar sujeito a controlo por parte de um juiz de instrução.
Comentários