Cerca de 31.000 “coletes amarelos” protestam em França e 700 foram detidos

Cerca de 31.000 “coletes amarelos” manifestavam-se hoje a meio do dia em toda a França no quarto grande dia de protestos, que já levaram a mais de 700 detenções, 575 das quais em Paris, segundo o governo.

“A nível nacional, incluindo os parisienses, temos mais de 700 detenções para uma participação no movimento a meio do dia que é de 31.000 pessoas no território nacional, dos quais 8.000 em Paris”, indicou o secretário de Estado do Interior, Laurent Nuñez, ao canal televisivo France 2.

Os números são sensivelmente semelhantes aos do último sábado.

Os confrontos regressaram hoje de manhã às ruas de Paris, com a polícia reagir rapidamente contra os manifestantes, nomeadamente com gás lacrimogéneo e canhões de água.

A atuação policial parece revelar as ordens que os agentes receberam no sentido de evitar as cenas de guerrilha urbana registadas no passado fim-de-semana.

Houve um reforço policial significativo antecipando os protestos de hoje e antes do início da manifestação em Paris, a polícia já tinha detido centenas de pessoas.

Temendo a repetição dos tumultos na capital francesa, foram também reforçados os controlos nas estações e realizadas buscas sistemáticas junto aos locais de concentração.

Nas ruas do centro de Paris os comerciantes fecharam as lojas e desapareceu quase todo o mobiliário urbano, para que não possa ser usado como arma pelos manifestantes.

Recomendadas

Premium“Para quem não tenha notado, a Rússia vai ficar ali” e a segurança da Europa passa por lá

As palavras do presidente francês cairam mal na invadida Ucrânia e nos longínquos EUA. Entretanto, ninguém sabe quais serão as consequências da decisão sobre petróleo russo.

PremiumPaíses ocidentais com fortes reservas face à coligação em Israel

A colocação de um extremista, racista e adepto da violência na direção do ministério que trata da segurança interna do país é considerado um desastre em potencial. A não ser que Netanyahu queira fazer com Itamar Ben-Gvir o mesmo que fez há uns anos com Ben Gantz.

Ucrânia. Putin diz não saber se poderá confiar num eventual acordo de paz com Kiev

O Presidente russo, Vladimir Putin, defendeu hoje que será necessário um acordo “no final” do conflito na Ucrânia, mas disse ter dúvidas sobre a confiança que Moscovo poderá depositar nos seus interlocutores.
Comentários