Cimeira da NATO termina hoje depois de declarar Rússia maior ameaça (com áudio)

Numa cimeira dominada e condicionada pela ofensiva russa à Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro, a agenda do segundo e último dia de trabalhos do encontro da Organização do Tratado do Atlântico Norte termina com uma sessão na qual vários países, como é o caso da anfitriã Espanha, esperam que os 30 chefes de Estado e de governo olhem para o designado “flanco sul”.

NATOpress/Twitter

A cimeira da NATO termina na quinta-feira em Madrid já com um novo Conceito Estratégico aprovado para a próxima década, no qual declara a Rússia como a maior e mais direta ameaça à segurança da Aliança Atlântica.

Numa cimeira dominada e condicionada pela ofensiva russa à Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro, a agenda do segundo e último dia de trabalhos do encontro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês) termina com uma sessão na qual vários países, como é o caso da anfitriã Espanha, esperam que os 30 chefes de Estado e de governo olhem para o designado “flanco sul”.

Estes países têm insistido para a NATO não ignorar “ameaças e desafios” oriundos do Médio Oriente ou do norte de África, em especial, da região africana do Sahel, e que estão relacionados com movimentos de imigração ilegal ou grupos terroristas.

Na quarta-feira, os líderes da NATO aprovaram um novo Conceito Estratégico para a organização, para a próxima década, e divulgaram a Declaração da Cimeira de Madrid, documentos em que definem a Rússia como a maior e mais direta ameaça à segurança dos países da aliança militar. Pela primeira vez, a estratégia da NATO a dez anos tem também uma referência à China. Estes países insistem na abordagem e estratégia a 360 graus, mesmo reconhecendo o protagonismo que ganhou o lado leste, por causa da Rússia.

Ainda na quarta-feira, a NATO reiterou o apoio à Ucrânia e desbloqueou um novo pacote de ajuda integral a Kiev, assim como ajudas a países como a Moldávia, Geórgia e Bósnia-Herzegovina.

No primeiro dia da cimeira, a NATO confirmou o reforço das suas forças no leste europeu e o aumento das tropas em prontidão (de reação rápida) de 40 mil para mais de 300 mil militares.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários