Circulação dos comboios suburbanos de Coimbra suspensa devido a mau tempo

“As linhas da estação de Alfarelos encontram-se inundadas”, tendo sido suspensa a circulação de comboios suburbanos de Coimbra em todo o trajeto, entre Coimbra e Figueira da Foz.

A circulação dos comboios suburbanos de Coimbra foi hoje suspensa devido à subida do nível da água, de acordo com a informação divulgada por fonte oficial da Infraestruturas de Portugal (IP).

Segundo a fonte da empresa gestora da rede ferroviária, “as linhas da estação de Alfarelos encontram-se inundadas”, tendo sido suspensa a circulação de comboios suburbanos de Coimbra em todo o trajeto, entre Coimbra e Figueira da Foz.

As inundações do troço entre Alfarelos e Ameal Sul, devido à subida do nível das águas da Bacia do Mondego, é também a causa da suspensão da circulação ferroviária na Linha do Norte, que liga Lisboa ao Porto.

A linha da Beira Alta está também cortada, depois de ao início da noite de sexta-feira um comboio Intercidades ter embatido numa pedra que provocou o descarrilamento da locomotiva ao quilómetro 148, entre Fornos de Algodres e Gouveia.

Neste momento, indica a IP, “decorrem os trabalhos de carrilamento que estão a ser dificultados devido à instabilidade do terreno”.

“Após o carrilamento e remoção da locomotiva do local, será necessário proceder-se a trabalhos de reparação da via. Esta intervenção deverá estender-se ao longo da manhã de hoje”, estima a IP.

Na linha do Vouga, a circulação está também suspensa entre Sernada do Vouga e Aveiro-Vouga, devido a desguarnecimento da via entre Macinhata e Sernada e a circulação no troço entre Eixo e Eirol devido a inundação de via.

A CP informou na sexta-feira que irá conceder reembolsos aos clientes que tenham comprado bilhetes e pretendam desistir da viagem, devido às perturbações previstas por causa do mau tempo.

A passagem da depressão Elsa provocou em Portugal dois mortos, um desaparecido e deixou perto de 80 pessoas desalojadas, registando-se entre quarta-feira e sexta-feira cerca de 8.500 ocorrências no continente português, na sua maioria inundações e quedas de árvore, envolvendo cerca de 25 mil operacionais.

O mau tempo provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

O IPMA alertou para os efeitos de uma nova depressão, denominada Fabien, que atingirá Portugal no sábado, em especial o Norte e o Centro, estando previstos intensos períodos de chuva e vento forte de sudoeste, com rajadas que podem atingir 90 km/hora no litoral norte e centro e 120 km/hora nas terras altas.

Os efeitos da depressão Fabien não deverão ter em Portugal continental a mesma intensidade do que os da tempestade Elsa, prevendo-se uma melhoria gradual do estado do tempo a partir de domingo. Os distritos do Porto, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga vão estar entre as 21:00 de sábado e as 12:00 de domingo em aviso vermelho, devido à agitação marítima.

Recomendadas

Dia Mundial do Professor. Marcelo felicita docentes pela “competência, dedicação e entusiasmo”

Numa nota publicada na página da Presidência da República na internet, é recordado que hoje se assinala o Dia Mundial do Professor, instituído pela UNESCO para “evidenciar o papel dos professores, absolutamente essencial para o sucesso das novas gerações e no desenvolvimento das sociedades”.

5 de outubro: Marcelo pede que se faça avançar democracia com “caminho para todos”

Num discurso de onze minutos, na cerimónia comemorativa dos 112 anos da Implantação da República, na Praça do Município, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.
Comentários