Com fuga de empresas, Rússia volta a fabricar marca automóvel soviética

A marca russa funcionou entre 1939 e 1991, ano em que foi desmantelada com a queda da União Soviética para dar lugar à importação e a melhor qualidade.

As marcas estão a abandonar o território russo a um ritmo alucinante e as marcas automóveis são umas delas. Com a fuga do mercado automóvel, a Rússia anunciou que vai reativar a mar Moskvich, criada na era soviética.

A marca russa funcionou entre 1939 e 1991, ano em que foi desmantelada com a queda da União Soviética para dar lugar à importação e a melhor qualidade. De acordo com relatos citados pela “CNN”, os carros produzidos pela Moskvich apresentavam muitos defeitos.

Apesar dos problemas persistentes detetados pela fabricante, o governo soviético optou por realizar um acordo com a Renault, de forma a que a marca francesa modernizasse e aumentasse a produção dos Moskvich para 200 mil veículos até 1975.

A queda da União Soviética levou à falência da Moskvich e permitiu a entrada de fabricantes ocidentais. A título de exemplo, e já com um pé dentro da Rússia, a antiga fábrica da fabricante russa foi aproveitada pela Renault em 2005.

Com o fecho da fábrica da Renault, o presidente da câmara de Moscovo, Sergei Sobyanin, explicou que tomou a decisão de aproveitar os funcionários da Renault, que iriam ficar no desemprego, para reativar a falecida marca russa.

A fábrica vai tentar obter a maior parte das peças automóveis de empresas russas e o país vai reiniciar-se na produção de carros a gasolina mas, a médio prazo, pondera avançar para a produção elétrica.

Para já, não se sabe qual o tipo de automóvel que será produzido nem qual o seu aspeto, uma vez que os Moskvich não são produzidos há mais de 30 anos. Atualmente, estima-se a existência de 200 mil Moskvich ainda em circulação nas ruas russas, um número que poderá aumentar nos próximos anos mas com matrículas mais recentes.

Recomendadas

Moscovo e Kyiv anunciam “troca especial” de 179 prisioneiros de guerra

As autoridades ucranianas anunciaram este sábado a libertação de 116 soldados e membros das forças de segurança do seu país, num grupo que inclui “defensores” de Mariupol, Gerson e Bakhmut, enquanto a Rússia divulgou a libertação de 63 militares.

Ucrânia. Portugal vai enviar tanques Leopard 2 e está em curso operação com Alemanha

O primeiro-ministro assegurou este sábado que Portugal vai ceder às Forças Armadas ucranianas tanques Leopard 2 e adiantou que está neste momento em curso uma operação logística com a Alemanha para recuperação de alguns carros de combate.

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.
Comentários