Combustível chega à Faixa de Gaza após trégua entre Israel e Jihad Islâmica

O acordo foi alcançado no domingo à noite, e pôs fim a três dias de hostilidades que provocaram 44 mortos entre os palestinianos.

Foto: Associated Press

A entrada de mercadorias na Faixa de Gaza foi retomada hoje, horas depois do início de uma trégua entre Israel e a Jihad Islâmica, noticiou a agência francesa AFP.

Um camião com combustível entrou na Faixa de Gaza através da passagem de Kerem Shalom, no sul do enclave, segundo relato da AFP.

O acordo foi alcançado no domingo à noite, e pôs fim a três dias de hostilidades que provocaram 44 mortos entre os palestinianos.

A trégua, após mediação do Egito, entrou em vigor meia hora antes da meia-noite (hora local), e a situação na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza permaneceu calma desde então, segundo a agência espanhola EFE.

“Durante a noite, realizámos avaliações relativas aos próximos passos a serem dados para um regresso gradual à rotina, mantendo-nos alerta e preparados para quaisquer mudanças na situação atual”, disse hoje o exército israelita.

Separadamente, anunciou a reabertura dos postos fronteiriços entre Israel e Gaza, tanto para pessoas e bens, como para “fins humanitários”.

A reabertura das passagens permitirá, entre outras coisas, a entrada em Gaza da ajuda humanitária e do combustível necessário para reiniciar a única central elétrica do enclave.

A central foi encerrada no sábado devido à falta de combustível, deixando os residentes da Faixa de Gaza com apenas quatro horas de energia por dia e ameaçando cortar serviços básicos, tais como cuidados médicos.

Israel anunciou também o reinício do tráfego ferroviário na área próxima da Faixa de Gaza e permitiu que os israelitas que vivem nas aldeias limítrofes do enclave palestiniano deixassem os abrigos.

As duas partes disseram que iriam respeitar o acordo, mas que responderiam a qualquer agressão.

O exército israelita justificou a operação que lançou na sexta-feira como um “ataque preventivo” contra a Jihad Islâmica, por receio de represálias após a detenção de Bassem al-Saadi em 01 de agosto na Cisjordânia, o território palestiniano ocupado por Israel.

No ataque israelita, foram mortos os principais líderes militares da Jihad Islâmica em Gaza, Tayssir Al-Jabari e Khaled Mansur, juntamente com vários dos combatentes do grupo.

A morte dos líderes militares foi confirmada pela Jihad Islâmica.

Nos últimos dias, cerca de 40 membros da Jihad Islâmica foram detidos por forças israelitas na Cisjordânia.

Trata-se do pior confronto na região desde maio de 2021, quando combates entre o exército israelita e o Hamas provocaram 260 mortos do lado palestiniano e 14 mortos do lado israelita em 11 dias.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários