Correios garantem que não vão fechar estações em 2019

Após a Anacom ter questionado a qualidade do serviço dos CTT, a 10 de janeiro, estimando que até ao fim de 2019 a empresa deixaria de ter estações em 48 concelhos, os CTT garantiram ao Jornal Económico que não haverá mais encerramentos este ano. O regulador também fez observações quanto à densidade da rede dos CTT, pelo que a empresa garantiu “estar em todos os concelhos, com pelo menos um ponto CTT”.

Cristina Bernardo

Os Correios de Portugal garantiram ao Jornal Económico que não vão abrir novos processos de encerramento de estações de correio durante este ano. “Em 2019, não acontecerão situações que não tenham sido já conhecidas e partilhadas com as autoridades locais em 2018, em casos onde seja possível encontrar alternativas adequadas”, fez saber fonte oficial dos CTT.

A operadora de distribuição de correspondência esclareceu, ainda, que “a reorganização da rede de retalho era um projeto para levar a cabo em 2018, pelo que em 2019 não existirão novas situações de substituição de lojas CTT”. O Jornal Económico apurou que o plano de reorganização da rede está mesmo na reta final e ficará concluído muito em breve, provavelmente, no primeiro trimestre do ano.

Quer isto dizer: caso uma estação dos CTT seja encerrada em 2019, esse processo de encerramento, seguido de substituição por uma loja ou ponto CTT, já estava previsto e tinha sido iniciado em 2018. Este ano, a empresa do setor da distribuição não abrirá novos processos de encerramento de estações.

Os CTT adiantam que “no âmbito do contrato de concessão,  são obrigados a ter um ponto CTT [loja ou posto de correios] em cada concelho, critério que cumprem escrupulosamente nos 308 concelhos do país”, explicando que “mantêm pelo menos um Ponto CTT, onde são prestados todos os serviços previstos no contrato de concessão, incluindo a entrega de objetos avisados, e ainda o pagamento de vales de prestações sociais e de faturas, muitas vezes em horários alargados e com conveniência adicional para as populações”.

Ainda assim, as dúvidas levantadas pela Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) permanecem, sendo que o regulador prevê que aos 33 concelhos sem estações de correios no final de 2018, somar-se-ão mais 15 até ao fim de 2019, num total de 48 concelhos sem estações (sendo que as estações não equivalem a lojas ou pontos CTT, uma vez que desempenham funções mais amplas que as das lojas), o que afetará 411 mil portugueses.

Relacionadas

PCP e BE insistem na reversão da privatização dos CTT enquanto o Governo planeia rever contrato de concessão

Comunistas e bloquistas voltam à carga no Parlamento para recuperar o controlo público dos CTT, através de diferentes iniciativas, desta vez com o apoio público de alguns setores do PS. No entanto, o Governo estará mais inclinado para uma revisão do contrato de concessão do serviço postal universal, introduzindo regras mais apertadas.

CTT respondem à Anacom e garantem ter um posto em cada concelho

“Os CTT reafirmam que estão presentes em todos os concelhos do país”, indicam em comunicado”, especificando que “mantêm pelo menos um Ponto CTT (Loja ou posto de correio) em todos os concelhos do País”, lê-se em comunicado.

CTT com 48 concelhos sem estações no curto prazo, alerta Anacom

A Anacom recorda que, em 2018, os encerramentos de estações de correios pelos CTT “levaram a que tenham subido para 33 os concelhos em Portugal que já não têm estações de correios” e que, até 2017, e desde 2013, “apenas existiam dois concelhos sem estações de correios”.
Recomendadas

Martín Tolcachir nomeado CEO Global do Grupo Dia

Tolcachir assumirá a estratégia da empresa a nível global e liderará a execução da estratégia de aceleração para o crescimento em todos os países onde opera, revela o grupo.

Seca no rio Reno põe em risco transporte de mercadorias

Os patrões alemães consideram que o governo federal, juntamente com os vários estados federados, o sector da logística e as empresas industriais, “deve estabelecer um sistema de monitorização próximo para reagir prontamente” ao baixo nível das águas.

Falta de gelo? Mercadona sem limitação de vendas nas lojas em Portugal

Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.
Comentários