Costa avisa: “Não podemos baixar a guarda temos que manter todas as regras de proteção”

Apesar da continuação da Covid-19 e das restrições, o primeiro-ministro enalteceu que “graças à ciência, à mesma vacina, sabemos que a indústria foi mesmo capaz de a produzir, que somos mesmo capazes de a receber , de as armazenar, de as distribuir , dos profissionais de saúde as poderem aplicar”.

Tiago Petinga/Lusa

António Costa esteve presente na inauguração da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do hospital Amadora Sintra, agora designado Professor Doutor Fernando Fonseca e sublinhou que apesar da vacinação, as restrições vão ter de continuar.

“O país tem vivido com muita emoção e entusiamo até e reforço de confiança o processo de vacinação que se iniciou nos últimos dias. Só aqui neste hospital entre ontem e hoje mais de 800 profissionais de Saúde serão vacinados. A primeira dose de uma vacina , mas o processo de vacinação vai ser um processo longo de vários meses”, explicou o primeiro-ministro.

António Costa referiu ainda que “apesar disso tudo o Covid vai continuar entre nós e portanto isso significa que não podemos baixar a guarda e temos que manter todas as regras de proteção individual que temos praticado até agora e a continuar a evitar o mais possível os contactos que não são necessários porque são fatores de risco”.

Apesar da continuação da Covid-19 e das restrições, o primeiro-ministro enalteceu que “graças à ciência, à mesma vacina, sabemos que a indústria foi mesmo capaz de a produzir, que somos mesmo capazes de a receber , de as armazenar, de as distribuir , dos profissionais de saúde as poderem aplicar”.

Esta visita do primeiro-ministro foi a primeira desde que saiu do isolamento profilático esta quarta-feira, 30 de dezembro. António Costa alertou os portugueses para os perigos de não cumprir as regras e recordou que bastou almoçar com uma pessoa que estava contaminada para ter de ficar 14 dias em isolamento profilático. “Por isso, muito cuidado, apesar da vacina é preciso continuarmos a ter muito cuidado”.

O governante deixou uma mensagem de apoio a quem está em isolamento e sublinhou que a prioridade do Governo é o reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Aos 91 mil cidadãos que ao contrário do primeiro-ministro ainda estão em isolamento profilático, Costa desejou “a todos que possam completar em boa saúde”.

Quanto ao investimento na Saúde, o governante garantiu ser preciso “prosseguir este investimento que estamos a fazer em reforçar a capacidade hospitalar designadamente em cuidados intensivos. Desde logo, porque essa era uma necessidade do país independentemente do Covid”.

“Quando a pandemia começou nós eramos o país que tinha o menor número de camas nos cuidados intensivos por 100 mil habitantes e definimos como prioridade do reforço no SNS, podemos completar em 2021 atingirmos a média da União Europeia em camas de cuidados intensivos”, destacou António Costa.

“Quando o Covid passar e há de passar continuarão a ser precisos estes equipamentos. Portanto, este não é um investimento que se faça por causa da pandemia, a pandemia tornou mais urgente, inadiável aquilo que já era necessário e por isso este hospital que serve dois dos concelhos mais populosos do país vai ficar agora capacitado com o dobro da capacidade de camas de cuidados intensivos do que aquilo que tinha até agora”, frisou Costa.

Sobre os número avultados que todos os dias os portugueses ouvem e leem nas notícias, o primeiro-ministro explicou que “só o conjunto do Serviço Nacional de Saúde para o próximo ano não são mais do que 12 mil milhões de euros, quase tanto como a famosa bazuca europeia e nós tivemos um primeiro grande reforço no Orçamento inicial de 2020 e tivemos um segundo reforço no suplementar. Temos neste Orçamento que vai entrar em vigor no próximo dia 1 um reforço de mais de 1.200 milhões de euros”, recordou António Costa.

Relacionadas

“Não foi por falta de aviso que o Governo falha na contratação de médicos para o SNS”, diz BE sobre vagas por preencher na Saúde

Pedro Filipe Soares destacou que “o Bloco de Esquerda alertou que as contas do executivo não batiam certo e agora está à vista”. Em causa estão as vagas hospitalares que ficaram por preencher, em medicina geral e familiar foram mais de um quarto entre as 435 cargos existentes.

Portugal vai receber mais dois milhões de doses da vacina da Pfizer-BioNTech

Da encomenda extra de mais 100 milhões de vacinas da Pfizer-BioNTech anunciada pela Comissão Europeia, dois milhões de doses deverão chegar a Portugal até ao final do primeiro trimestre de 2021.

OMS alerta que vacina não vai erradicar a Covid-19 e que vírus vai-se tornar endémico

O órgão de saúde pública internacional alertou ainda que a próxima pandemia pode ser mais severa. Mark Ryan, líder do programa de emergências da OMS frisa que a crise da Covid-19 servirá para aprendermos com os erros e prepararmo-nos para eventuais pandemias semelhantes.
Recomendadas

PS acusa PSD de “cortejar” um partido de extrema-direita

“O PSD fez um apelo à votação num vice-presidente à Assembleia da República num partido de extrema-direita. Não podemos deixar passar em branco”, realçou João Torres, referindo-se ao apelo que o partido laranja fez em relação ao “vice” do Parlamento do Chega.

Cotrim Figueiredo acusa PS e PSD de tomarem conta do aparelho do Estado

O líder do Iniciativa Liberal acusou o PS e o PSD de serem “dois partidos que se acham donos do sistema, que tomaram conta do aparelho do Estado e que acham que podem tomar estas decisões sozinhos”, referindo-se à discussão em torno do novo aeroporto.

BE acusa Governo de dar “grande prenda” à empresa que adquiriu aeroportos

O Governo “agora diz que vai estudar outra vez, o que na verdade já está estudado, e todas estas manobras são, sobretudo, uma grande prenda à multinacional que comprou os aeroportos portugueses ainda no tempo do Governo do PSD e CDS-PP”, acusou Catarina Martins.
Comentários