Costa: salários na CGD não são feitos à medida das caras

” Não fizemos uma remuneração ad hominem para a administração que está e a que sai”, disse António Costa sobre o salário do novo presidente da CGD.

Questionado pelos jornalistas depois de visitar uma fábrica em Torres Novas, o primeiro-ministro falou sobre o facto de o novo presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, ir ganhar o mesmo que António Domingues.

António Costa foi peremptório. “É uma opção política que foi tomada, está mantida e vai ser executada. A questão está ultrapassada os vencimentos estão fixados. A legislação está em vigor não a vamos mudar. Não fizemos uma remuneração ad hominem para a administração que está e a que sai”, acrescentou o chefe de Governo.

O primeiro-ministro afirmou ainda que é preciso que Caixa Geral de Depósitos tenha “uma gestão profissional para que possa colocar no mercado administradores ao nível que qualquer outro banco possa recrutar”. Tudo para que a Caixa “seja aquilo que todos ansiamos”, conclui o primeiro-ministro.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários