Crianças dormem ao relento após demolição do campo de Calais

Autoridades francesas já concluíram o processo de transferência dos refugiados que habitavam o campo de Calais, mas organizações humanitárias advertem que ainda há centenas que não forma realojados.

Há centenas de migrantes, incluindo crianças, a dormir ao relento depois do campo de refugiados de Calais, em França, ter sido desmantelado. O alerta foi dado por várias organizações humanitárias que alertam para o facto de o processo de transferência dos migrantes não ter abrangido toda a gente que vivia no campo.

O governo francês deu esta quarta-feira como concluído o processo de reinserção dos migrantes presentes no maior campo de refugiados francês em centros de acolhimento. No total, as autoridades francesas dizem ter realojado mais de 4 mil migrantes, incluindo 1 200 crianças.

No entanto, de acordo com várias organizações presentes no local, nem todos foram transferidos da “selva” de Calais. Vários migrantes não conseguiram efetuar o registo e os veículos de transporte não conseguiram dar vazão a todos os migrantes. As autoridades ter-lhes-ão informado de que deveriam voltar ao campo esta quinta-feira de manhã.

Nas redes sociais estão a circular várias imagens que mostram as condições hediondas onde centenas de migrantes passaram a noite.

As autoridades informam ainda que os novos migrantes que chegam agora ao antigo campo de refugiados “não podem esperar acolhimento por parte das autoridades locais”.

O acampamento de refugiados de Calais começou a ser evacuado esta segunda-feira, dia 24. A “selva”, como ficou conhecido, representa o sonho de cerca de 7 000 refugiados de atravessar o Canal da Mancha para chegar ao Reino Unido.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários