Crise de profissionais de saúde no SNS: Uma oportunidade para repensar a experiência do colaborador

O SNS tem vindo a ser desafiado com a falta de profissionais de saúde. Esta situação está a ter um reflexo imediato na diminuição da capacidade de resposta hospitalar.

Depois de quase dois anos de pandemia de Covid-19, é unânime a importância do SNS, bem como a coragem, resiliência e dedicação dos nossos profissionais de saúde. Após anos de pressão devido à falta de investimento na saúde, reduzida aposta na prevenção e em novos cuidados médicos – e também devido ao envelhecimento da população do país – o SNS tem vindo a ser desafiado com a falta de profissionais de saúde. Esta situação está a ter um reflexo imediato na diminuição da capacidade de resposta hospitalar, onde a pandemia, conforme realçou a OCDE, ainda exacerbou mais a escassez e evidenciou diversas vulnerabilidades.

A atração e retenção de talento no SNS é hoje mais desafiante do que nunca, sendo várias as razões identificadas para a crise existente, nomeadamente, desajuste ao nível de benefícios e incentivos, reduzidas oportunidades de formação e desenvolvimento, carreiras mal desenhadas, onboarding insuficiente ou inconsistente, falta de suporte e de comunicação e situações de burnout, pelo excesso de trabalho e pressão. A isto associa-se um desalinhamento de expectativas relativas ao acesso e à qualidade da prestação de cuidados de saúde aos pacientes.

Embora alguns destes pontos não estejam na esfera de autonomia e decisão do hospital, existem iniciativas que estão ao alcance das administrações hospitalares, nomeadamente:

l Trabalhar a cultura: Fomentar uma cultura de pertença e um ambiente de trabalho inclusivo, que reforce o propósito de trabalhar no SNS, promova uma ligação emocional forte entre os profissionais de saúde, o hospital e os seus pacientes;

l Criar a Jornada do Colaborador: uma jornada consistente que passe pela criação da uma proposta de valor (EVP) para atrair e reter talento, pela aposta no onboarding, pela sistematização de práticas e procedimentos, por uma comunicação clara e fluída e pelo acompanhamento dos colaboradores ao longo do seu percurso;

l Investir na formação: Fomentar a partilha de aprendizagens e criar um programa de formação robusto para todos os profissionais de saúde. Capacitar os líderes, para uma liderança mais próxima e inspiracional;

l Fomentar uma organização data driven: Tirar partido dos dados que são gerados diariamente no hospital para suporte à decisão, nomeadamente utilizando ferramentas de auscultação de profissionais de saúde, permitindo endereçar de forma ágil, pain points identificados pelas pessoas;

l Proporcionar experiências aos profissionais de saúde: Seja através de nova tecnologia, participação em estudos e/ou na implementação de novos modelos de entrega de cuidado de saúde, os profissionais de saúde querem cada vez mais participar em projetos clínicos robustos e inovadores;

l Repensar os benefícios: Pensar para além dos benefícios tradicionais em torno do salário, nomeadamente atribuição de fringe benefits como acesso a eventos, parcerias com ginásios e restaurantes, entre outros;

Se no combate à COVID-19 os profissionais de saúde demonstraram energia, criatividade e flexibilidade para encontrar soluções para novos problemas, é tempo de todos os decisores do SNS se unirem e implementarem soluções de forma a mostrarem o seu comprometimento em melhorar a experiência do profissional de saúde.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

A adoção de cloud nas organizações

A adoção de cloud é vital para a transformação digital, adotando tecnologias disruptivas e otimizando as organizações.

O arquivo eletrónico e a desmaterialização de faturas e documentos

Os requisitos técnicos e legais referentes à desmaterialização de faturas e demais documentos fiscalmente relevantes, e de constituição do arquivo eletrónico, foram definidos com a publicação do Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro.

Reinventar o SNS

Colocam-se ao SNS desafios associados ao envelhecimento populacional, à maior prevalência de doenças crónicas, ao maior consumo de cuidados de saúde e à maior exigência dos utentes.
Comentários