PremiumCustos da construção voltam a subir e a um ritmo cada vez maior

Os dados do INE sobre os custos da construção de habitação nova em outubro mostram um crescimento homólogo cada vez maior do indicador.Escassez de mão-de-obra pode tornar-se em oportunidade no médio-prazo, defende o presidente da AICCOPN, Reis Campos.

Um dos sectores mais afetados pela escassez de materiais e mão-de-obra tem sido o da construção, que até foi dos menos castigados pela pandemia e as restrições a que esta obrigou, mas cujos custos continuam a subir e a um ritmo cada vez mais acentuado. Os dados mais recentes do INE e da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) apontam para uma subida generalizada dos custos, uma tendência que não se deverá inverter no futuro imediato e que pode comprometer alguns projetos de maior magnitude, especialmente públicos.

O índice de custos de construção de habitação nova referente a outubro revela um crescimento em relação ao mês anterior de 0,8%, o que resulta numa variação homóloga de 7,4%. Decompondo por custos dos materiais e da mão-de-obra, estas componentes registaram um aumento de 8,8% e 5,4%, respetivamente, comparando com igual período do ano passado. Em setembro, estas variações haviam sido, pela mesma ordem, de 8,3% e 4,7%, enquanto o indicador total havia crescido 6,8%, isto em termos homólogos; em agosto, o aumento total foi de 6,4%, com crescimentos de 8,1% e 4,2% nos custos dos materiais e da mão-de-obra, respetivamente.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

“Não podemos viver períodos em que os custos de construção estejam a subir quase semanalmente”, diz diretor da GesConsult

Nuno Garcia defende que para a dinâmica do sector se manter deve existir uma intervenção do Estado através da redução do IVA para que dessa forma se possa incentivar ao investimento.

Custos de construção aumentam 7,4% em outubro

Por sua vez, o preço dos materiais e o custo da mão de obra apresentaram variações de 8,8% e de 5,4%, respetivamente.
Recomendadas

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.

UE dá luz verde a entrada de Croácia no espaço Schengen

Com esta aprovação, pelos ministros dos Assuntos Internos da UE, seguindo a recomendação da Comissão Europeia de 16 de novembro, a Croácia deixará de ter fronteiras internas com os outros países do espaço Schengen.

Trabalhadores do MNE português no Brasil vão ter atualização salarial de 48,9%

Os trabalhadores nos postos consulares e missões diplomáticas no Brasil vão ter as suas remunerações atualizadas em 48,9%, a mesma percentagem da depreciação monetária acumulada do real, segundo legislação publicada em Diário da República.
Comentários