Decisão de hoje da OPEP+ tem pouca importância para o preço do petróleo, diz XTB

A OPEP+ decidirá sobre o destino do acordo de “corte de produção” durante a reunião desta semana, a 3 e 4 de agosto. “Os níveis de produção atuais (para agosto) estão de acordo com os valores de referência, pelo que é um risco dizer que o acordo está a limitar a oferta”, defendem os analistas da XTB.

Os analistas da XTB dizem que a decisão de hoje da OPEP+ tem pouca importância para o petróleo. O Brent cai nesta altura 0,12% para 100,42 dólares o barril, ao passo que o crude West Texas recua 0,10% para 94,33 dólares.

A OPEP+ decidirá sobre o destino do acordo de “corte de produção” durante a reunião desta semana (3 e 4 de agosto). “Os níveis de produção atuais (para agosto) estão de acordo com os valores de referência, pelo que é um risco dizer que o acordo está a limitar a oferta”, defendem.

Além disso, diz-se que a organização já está a ter dificuldades para atingir quotas de produção e a produção diária nos maiores produtores mundiais pode estar cerca de quatro milhões de barris abaixo do objetivo, acrescentam.

Os mesmos analistas consideram que a OPEP+ parece estar preocupada com a possibilidade do abrandamento económico global e está relutante em impulsionar a produção.

“Na realidade, apenas alguns países da OPEP+ ainda têm capacidade de produção excedentária. Entre esses países encontram-se a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos ou o Iraque. Mesmo a Rússia é muito limitada em termos de aumento da produção e, acima de tudo, das exportações”, refere a XTB.

“Em teoria, pode manter-se um acordo com uma especulação de que um aumento de produção de 100 mil será acordado para Setembro desta semana. Tal aumento seria largamente simbólico e não iria mudar muito”, defendem os analistas. “É provável que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos continuem a aumentar a produção mas a um ritmo moderado e sem grandes anúncios”, acrescentam.

Os meios de comunicação social relataram que os Estados Unidos chegaram a um acordo com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos sobre a venda de armas. Os analistas da XTB dizem que isto poderia levar a um anúncio de que a produção aumentará significativamente ou que mesmo todo um acordo de “corte de produção” poderá ser eliminado. Tal cenário seria certamente acompanhado de uma maior queda do preço do petróleo.

No entanto, não se trata de um cenário de base. O mercado petrolífero continua apertado e é provável que assim continue, dizem.

“Os últimos dados da JODI e do IEF mostraram que a procura de petróleo e combustível está próxima dos níveis pré-pandémicos. No entanto, falta oferta adicional, e pode manter os preços perto ou acima de 100 dólares por barril”, refere a XTB.

E se a economia global cair numa recessão? Em tal cenário, diz a XTB, é possível uma queda da procura de 2%-5%. “Tal queda equilibraria o mercado com preços a descer para a faixa dos 60-70 dólares”, indica. “Sem uma recessão e novos investimentos na produção, é improvável uma grande queda nos preços do petróleo”.

Recomendadas

Wall Street: Reserva Federal acaba com otimismo sem sentido

Os investidores convenceram-se de que as mexidas nas taxas de juto seriam mais suaves que o inicialmente esperado. O banco central norte-americano teve de baixar as expectativas estranhamente sobreaquecidas do mercado.

Bolsa de Lisboa recupera e encerra na ‘linha de água’. Altri lidera ganhos

PSI subiu 0,01% em dia misto para as principais bolsas europeias. O euro está a ter uma desvalorização face ao dólar, com uma descida de 0,60%, para os 1,0119 dólares.

Wall Street abre mista após atas da Fed apontarem para subida menos agressiva da taxa de juro

Bolsa de Nova Iorque negoceia agora no ‘vermelho’ após o banco federal ter mostrado uma menor agressividade no ritmo de subida da taxa de juro devido a receios de abrandamento económico.
Comentários