Dois terços dos portugueses fazem reciclagem, segundo estudo do Cetelem

De acordo com o mesmo inquérito, 26% dos portugueses consideram que a economia circular está bem desenvolvida no país e 64% dos inquiridos considerem que estão bem informados sobre o assunto.

Um estudo do Cetelem concluiu que 66% dos portugueses reciclam, 41% reduziram os resíduos e outros 41% reutilizam os produtos.

De acordo com o mesmo inquérito, 26% dos portugueses consideram que a economia circular está bem desenvolvida no país e 64% dos inquiridos considerem que estão bem informados sobre o assunto.

Estas conclusões resultaram da realização do Barómetro Europeu do Consumo Cetelem 2022, que apurou que um em cada dois europeus declara que recicla mais os seus resíduos e que os reduziu nos últimos três anos.

“O Barómetro Europeu do Consumo Cetelem 2022 concluiu que um quarto dos europeus afirma saber exatamente o que significa o conceito economia circular. E os dados apontam que um número ainda maior a considera bem desenvolvida no seu país, sublinhando o facto de estar a evoluir de forma positiva e benéfica, tal como as práticas que engloba.
Em Portugal, 26% dos inquiridos consideram que a economia circular está bem desenvolvida no país. Embora 36% dos inquiridos europeus tenham, em média, também a mesma opinião, o número não reflete as significativas disparidades geográficas”, explica um comunicado do Cetelem.

Segundo os responsáveis do Cetelem, “nos países do Norte é onde encontramos aqueles que são mais rápidos a afirmar que a economia circular está bem desenvolvida nos seus países, nomeadamente, no Reino Unido e na Noruega, onde um em cada dois inquiridos expressa esta opinião”, enquanto “os inquiridos a Sul são menos propensos a fazê-lo, com os búlgaros a revelarem-se particularmente céticos (6%)”.

O estudo do Cetelem revelou ainda que os consumidores europeus – e portugueses –  estão mais conscientes e comprometidos. “A consciencialização demonstrada pelos consumidores europeus em relação à economia circular é igualmente uma fonte de esperança para o seu desenvolvimento nos próximos anos, com seis em cada 10 a acreditarem estar bem informados ou muito bem informados sobre o tema. No caso dos inquiridos em Portugal, são 64% que dizem estar bem informados, colocando o país na média europeia. Os três países nórdicos destacam-se como sendo claramente os mais conhecedores (sete em 10). Por sua vez, os países da Europa de Leste também formam um grupo bastante homogéneo, mas menos conscientes, com os búlgaros a emergir como os europeus menos informados (apenas um pouco menos de quatro em 10). Surpreendentemente, vários países da Europa Ocidental pontuam abaixo da média geral, nomeadamente, a Áustria e a França (um em dois)”, adianta o comunicado do Cetelem.

O mesmo documento salienta que, “além de juntar duas palavras que têm um impacto positivo junto dos europeus, a economia circular tem levado cada vez mais cidadãos a comprometerem-se com a aplicação dos três R em que se baseia: Reciclar, Reduzir, Reutilizar”.

“Quando analisamos as práticas observa-se, contudo, novamente uma divisão geográfica clara entre os países a Ocidente e a Norte, por um lado, e as nações mais a Leste, por outro. Há também uma divisão geracional, ainda que menos acentuada, com os maiores de 50 anos geralmente mais comprometidos, independentemente do R em questão. A separação de resíduos e reciclagem são as práticas que mais mobilizam os europeus. Mais de seis em cada 10 europeus praticam-nas regularmente – 66% no caso dos portugueses -, com os italianos a manterem a sua posição de liderança, seguidos de perto pelos austríacos, espanhóis e suecos. Pelo contrário, os búlgaros são de longe os menos ativos neste domínio”, prossegue o referido comunicado.

Os responsáveis do Cetelem adiantam que “a redução de resíduos também é praticada com frequência, de acordo com 41% dos portugueses e 46% dos europeus”, notando que, “mais uma vez, os italianos mostram-se os mais virtuosos neste aspeto da economia circular e os checos os menos comprometidos”.

“O terceiro R, a reutilização de produtos, seja através da venda, doação ou reaproveitamento, é realizada regularmente por 41% dos portugueses e 43% dos europeus. Mais uma vez, os italianos e os checos encontram-se respetivamente no topo e no fim do ‘ranking’ internacional. Embora os europeus demonstrem uma atitude positiva em relação à participação na economia circular, é ainda mais encorajador ver que têm vindo a aumentar o seu compromisso. Deste modo, um em cada dois europeus declara que recicla mais os seus resíduos e que os reduziu nos últimos três anos”, conclui o comunicado em questão.

Este inquérito quantitativo aos consumidores foi conduzido pela Harris Interactive entre 5 e 19 de novembro de 2021, em 17 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Espanha, França, Hungria, Itália, Noruega, Polónia, Portugal, República Checa, Roménia, Reino Unido, Eslováquia e Suécia.

Foram realizados inquéritos ‘online’ num total de 15.800 indivíduos (através do método CAWI). Os inquiridos, com idades compreendidas entre os 18 e os 75 anos, foram selecionados de amostras nacionais representativas de cada país. A representatividade da amostra foi assegurada pelo método de quotas (género, idade, local de residência e nível de rendimentos/classe socioprofissional). Foram realizados 800 inquéritos em cada país, exceto em França onde foram realizados três mil inquéritos.

O Cetelem é uma marca do BNP Paribas Personal Finance, entidade especialista em crédito ao consumo do grupo BNP Paribas. Afirma-se como líder europeu no sector e está presente em mais de 30 países de quatro continentes, empregando mais de 20 mil pessoas.

Em Portugal desde 1993, tem como propósito promover o acesso a um consumo mais responsável e sustentável para apoiar clientes e parceiros. Uma missão diária de mais de 600 colaboradores – especialistas em crédito pessoal, financiamento automóvel, cartões de crédito e seguros, que poderão ser subscritos no ‘site’, na ‘app’, por telefone, nas lojas ou num dos 3.800 estabelecimentos de parceiros do Cetelem.

Recomendadas

Humanidade só se salva se defender o planeta Terra e a biodiversidade- Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que a única saída para salvar a Humanidade é “investir no planeta Terra” e deter a perda de biodiversidade.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.
Comentários