Dois terços dos portugueses fazem reciclagem, segundo estudo do Cetelem

De acordo com o mesmo inquérito, 26% dos portugueses consideram que a economia circular está bem desenvolvida no país e 64% dos inquiridos considerem que estão bem informados sobre o assunto.

Um estudo do Cetelem concluiu que 66% dos portugueses reciclam, 41% reduziram os resíduos e outros 41% reutilizam os produtos.

De acordo com o mesmo inquérito, 26% dos portugueses consideram que a economia circular está bem desenvolvida no país e 64% dos inquiridos considerem que estão bem informados sobre o assunto.

Estas conclusões resultaram da realização do Barómetro Europeu do Consumo Cetelem 2022, que apurou que um em cada dois europeus declara que recicla mais os seus resíduos e que os reduziu nos últimos três anos.

“O Barómetro Europeu do Consumo Cetelem 2022 concluiu que um quarto dos europeus afirma saber exatamente o que significa o conceito economia circular. E os dados apontam que um número ainda maior a considera bem desenvolvida no seu país, sublinhando o facto de estar a evoluir de forma positiva e benéfica, tal como as práticas que engloba.
Em Portugal, 26% dos inquiridos consideram que a economia circular está bem desenvolvida no país. Embora 36% dos inquiridos europeus tenham, em média, também a mesma opinião, o número não reflete as significativas disparidades geográficas”, explica um comunicado do Cetelem.

Segundo os responsáveis do Cetelem, “nos países do Norte é onde encontramos aqueles que são mais rápidos a afirmar que a economia circular está bem desenvolvida nos seus países, nomeadamente, no Reino Unido e na Noruega, onde um em cada dois inquiridos expressa esta opinião”, enquanto “os inquiridos a Sul são menos propensos a fazê-lo, com os búlgaros a revelarem-se particularmente céticos (6%)”.

O estudo do Cetelem revelou ainda que os consumidores europeus – e portugueses –  estão mais conscientes e comprometidos. “A consciencialização demonstrada pelos consumidores europeus em relação à economia circular é igualmente uma fonte de esperança para o seu desenvolvimento nos próximos anos, com seis em cada 10 a acreditarem estar bem informados ou muito bem informados sobre o tema. No caso dos inquiridos em Portugal, são 64% que dizem estar bem informados, colocando o país na média europeia. Os três países nórdicos destacam-se como sendo claramente os mais conhecedores (sete em 10). Por sua vez, os países da Europa de Leste também formam um grupo bastante homogéneo, mas menos conscientes, com os búlgaros a emergir como os europeus menos informados (apenas um pouco menos de quatro em 10). Surpreendentemente, vários países da Europa Ocidental pontuam abaixo da média geral, nomeadamente, a Áustria e a França (um em dois)”, adianta o comunicado do Cetelem.

O mesmo documento salienta que, “além de juntar duas palavras que têm um impacto positivo junto dos europeus, a economia circular tem levado cada vez mais cidadãos a comprometerem-se com a aplicação dos três R em que se baseia: Reciclar, Reduzir, Reutilizar”.

“Quando analisamos as práticas observa-se, contudo, novamente uma divisão geográfica clara entre os países a Ocidente e a Norte, por um lado, e as nações mais a Leste, por outro. Há também uma divisão geracional, ainda que menos acentuada, com os maiores de 50 anos geralmente mais comprometidos, independentemente do R em questão. A separação de resíduos e reciclagem são as práticas que mais mobilizam os europeus. Mais de seis em cada 10 europeus praticam-nas regularmente – 66% no caso dos portugueses -, com os italianos a manterem a sua posição de liderança, seguidos de perto pelos austríacos, espanhóis e suecos. Pelo contrário, os búlgaros são de longe os menos ativos neste domínio”, prossegue o referido comunicado.

Os responsáveis do Cetelem adiantam que “a redução de resíduos também é praticada com frequência, de acordo com 41% dos portugueses e 46% dos europeus”, notando que, “mais uma vez, os italianos mostram-se os mais virtuosos neste aspeto da economia circular e os checos os menos comprometidos”.

“O terceiro R, a reutilização de produtos, seja através da venda, doação ou reaproveitamento, é realizada regularmente por 41% dos portugueses e 43% dos europeus. Mais uma vez, os italianos e os checos encontram-se respetivamente no topo e no fim do ‘ranking’ internacional. Embora os europeus demonstrem uma atitude positiva em relação à participação na economia circular, é ainda mais encorajador ver que têm vindo a aumentar o seu compromisso. Deste modo, um em cada dois europeus declara que recicla mais os seus resíduos e que os reduziu nos últimos três anos”, conclui o comunicado em questão.

Este inquérito quantitativo aos consumidores foi conduzido pela Harris Interactive entre 5 e 19 de novembro de 2021, em 17 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Espanha, França, Hungria, Itália, Noruega, Polónia, Portugal, República Checa, Roménia, Reino Unido, Eslováquia e Suécia.

Foram realizados inquéritos ‘online’ num total de 15.800 indivíduos (através do método CAWI). Os inquiridos, com idades compreendidas entre os 18 e os 75 anos, foram selecionados de amostras nacionais representativas de cada país. A representatividade da amostra foi assegurada pelo método de quotas (género, idade, local de residência e nível de rendimentos/classe socioprofissional). Foram realizados 800 inquéritos em cada país, exceto em França onde foram realizados três mil inquéritos.

O Cetelem é uma marca do BNP Paribas Personal Finance, entidade especialista em crédito ao consumo do grupo BNP Paribas. Afirma-se como líder europeu no sector e está presente em mais de 30 países de quatro continentes, empregando mais de 20 mil pessoas.

Em Portugal desde 1993, tem como propósito promover o acesso a um consumo mais responsável e sustentável para apoiar clientes e parceiros. Uma missão diária de mais de 600 colaboradores – especialistas em crédito pessoal, financiamento automóvel, cartões de crédito e seguros, que poderão ser subscritos no ‘site’, na ‘app’, por telefone, nas lojas ou num dos 3.800 estabelecimentos de parceiros do Cetelem.

Recomendadas
Carlos Moedas

Carlos Moedas: “A transição energética é o maior desafio das nossas vidas”

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa discursou esta terça-feira numa conferência ibérica dedicada ao tema da mobilidade, onde o líder da CIP, António Saraiva, defendeu que reduzir os transportes não é a solução para descarbonizar o país.

Açores. Simo de 2,1 na escala de Richter registado na Terceira

Um sismo com magnitude de 2,1 na escala de Richter foi sentido hoje na ilha Terceira, segundo um comunicado do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores.

Ministra não prevê falta de alimentos provocada pela seca ou pela guerra

“Criámos, com toda a cadeia alimentar, desde a produção até ao retalho, grupos de acompanhamento para que não haja quebra”, apontou a ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.
Comentários