E depois da pandemia?

A crise pandémica que atravessamos está a colocar uma enorme pressão sobre todo o sistema de saúde e em particular sobre o SNS.

A crise pandémica que atravessamos está a colocar uma enorme pressão sobre todo o sistema de saúde e em particular sobre o SNS. Esta realidade está também a tornar visível as fragilidades de todo o sistema e a necessidade de reformas que permitam uma maior e melhor capacidade de resposta à realidade que temos pela frente no pós-pandemia.

A juntar a fatores já há muito conhecidos, como o envelhecimento ou o aumento de doenças crónicas, e outros um pouco mais recentes como o crescimento do sector hospitalar privado e um maior peso das seguradoras, surgem no contexto desta pandemia outros fatores como o incremento da telemedicina ou a reorganização (forçada) da prestação dos cuidados de saúde.

Como também é conhecido, a pandemia levou a uma priorização dos recursos, canalizando o (enorme) esforço dos profissionais de saúde para o combate à Covid-19. A consequência foi a redução da capacidade para atender a outras necessidades. Como é que se vai normalizar a situação no pós-pandemia? Quais as prioridades? Qual a capacidade que vai existir no “day after” face ao cansaço de todos e à contaminação pelo SARS-CoV2 de muitos dos profissionais de saúde?

Um outro fator fundamental nesta equação (e que não é de agora) é o aumento sistemático das despesas em saúde e a um ritmo superior ao do crescimento da economia. Tendo em consideração o crónico fraco crescimento económico do país, até onde será possível aportar mais recursos financeiros para a saúde? E no tempo mais próximo, no pós-pandemia, que recursos financeiros serão necessários (e de onde virão) para a “normalização” do sistema de saúde?
Para além do período de recuperação no pós-pandemia, importa também refletir (para atuar) sobre o sistema de saúde no longo prazo.

Perante os dados de que dispomos e as tendências que se verificam, que sistema de saúde queremos e podemos pagar para Portugal? Queremos um sistema de saúde onde os prestadores públicos e os prestadores privados atuem de forma coordenada ou um SNS que por si só tenha capacidade para dar resposta a todas as necessidades presentes e futuras da população? Em sede de canalização dos recursos públicos queremos dar uma maior prioridade à saúde em detrimento de outras áreas? Queremos reforçar a aposta na formação de médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde em Portugal ou recorrer à imigração desses profissionais?

Estas são algumas das questões sobre as quais importa fazer uma reflexão alargada (mas também urgente) para a definição de uma visão que enquadre as reformas que urgem fazer.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

O (des)governo dos dados nas organizações

As organizações são fontes de geração e de consumo de dados em larga escala. Esta evolução tem trazido grandes oportunidades, mas também grandes desafios às empresas, nomeadamente no mercado português onde constatamos um “governo desgovernado” dos dados e isso revela-se potencialmente ao nível dos custos financeiros, riscos de conformidade, riscos reputacionais (e.g. fugas de dados, sejam eles pessoais ou de negócio) e até sob a perspetiva da sustentabilidade (ESG) que está hoje, e bem, na ordem do dia (a União Europeia estima que, em 2030, os Data Centers representem 3,2% do consumo total de eletricidade).

Tendências no consumo de energia: Save Money, Save Time, Save the Planet

Ao longo de 2021 e 2022, a EY conduziu um estudo 1) envolvendo 70.000 consumidores de 18 países (2.007 inquiridos em Portugal) para compreender as suas preferências e comportamentos.

Biodiversidade e alterações climáticas – reflexão entre COPs

As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são duas das maiores ameaças que colocam em causa a resiliência dos sistemas socio ecológicos, que sustentam a vida humana. Acresce a este facto, a agravante destas ameaças estarem interligadas.
Comentários