PremiumE se deixássemos a política fora do mercado?

A redundância ideológica não é amiga do pluralismo. Não é que faltem partidos políticos, mas falta-lhes o empenho na inventividade da alternativa, inovação de ideias e práticas que justifiquem o entendimento.

Acabados de chegar a 2022, com eleições legislativas à porta, a pergunta pública mais previsível para estes dias é sobre que política queremos hoje para Portugal. O que não é tão previsível é a escassez de novidade nas grandes escolhas que vão estar sobre a mesa eleitoral. E este é um impasse antigo.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Descodificar o impacte do Metaverso

O Metaverso é um mundo virtual que tenta replicar a realidade através de dispositivos digitais. Será a evolução natural da internet, podendo atingir um valor mínimo de mil milhões de utilizadores até 2030 a nível global.

Os rios com que sonhamos

Talvez nos iludamos nos sonhos, mas talvez nos iludamos menos. Há uma sinceridade da mente consigo própria no sonho. Talvez porque sonhar seja mais da ordem do que nos acontece do que do que fazemos acontecer. Há neles uma vocação ecológica e comunitária.

O outro lado da história

A votação na Assembleia Geral da ONU relativamente à condenação da Federação Russa pela guerra na Ucrânia leva-nos a crer que reflete a vontade de [ alguns países] desalinharem pela neutralidade, receando o regresso da bipolaridade na Ordem Internacional.
Comentários