Economia de Schrödinger

A verdadeira situação da economia portuguesa é um mistério. Se fossem retiradas as medidas de apoio e as moratórias, qual seria o impacto? Quantos mortos-vivos temos na economia?

Na famosa experiência teórica do “gato de Schrödinger”, a física quântica diz-nos que o animal pode estar vivo e morto ao mesmo tempo! Além disso, para se ter a certeza da sua condição, é necessário provocar uma interferência que lhe provocaria uma morte certa.

Por se tratar de algo muito próximo a um paradoxo, é difícil interiorizar as consequências desta experiência e há muito que procuro transpor o “gato” para outros exemplos.

A situação da economia portuguesa, nomeadamente de muitas famílias e empresas, parece ser um “gato de Schrödinger”. Segundo os dados do Banco de Portugal, 32% dos empréstimos a empresas (24,4 mil milhões de euros) e 17% dos empréstimos a particulares estavam em moratória, a proporção mais elevada em toda a União Europeia. Por outro lado, as empresas estão a beneficiar de linhas de crédito com custos muito baixos, garantidas pelo Estado a 80%, e de várias medidas de apoio à manutenção do emprego.

É verdade que, mesmo afetadas pela pandemia, muitas empresas e famílias continuam de boa saúde económica e financeira e estão apenas a aproveitar estas medidas para robustecer a sua posição. Mas é quase certa a existência de bastantes casos em que as medidas apenas estão a adiar falências e incumprimentos.

E é aqui que aparece o “gato de Schrödinger”: há certamente muitas empresas e empregos que já estão destruídos só que ainda não sabemos. São mortos-vivos. E, como na experiência, para saber se o gato ainda está vivo, temos de abrir a caixa – ou seja, retirar as medidas – provocando imediatamente a sua morte. Saber quando se vai “abrir a caixa” e quem vai pagar esta “experiência” são duas perguntas cruciais para os próximos anos.

Recomendadas

PSI segue sessão no ‘vermelho’. BCP, REN e EDP Renováveis caem mais de 2%

Lá fora, as principais praças europeias também negociaram no ‘vermelho’. O CAC 40 perde 0,12%, o DAX cai 0,15%, o IBEX 35 recua 0,70% e FTSE 100 desvaloriza 0,66%.

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

“A União Europeia (UE) e a zona euro estão numa situação difícil: não só a Europa está a sofrer uma verdadeira crise energética, mas agora a direita em Itália está também a registar uma vitória histórica”, disse o economista-chefe do VP do Banco Thomas Gitzel, citado pela Efe, que acrescenta que o veredicto dos mercados financeiros sobre o assunto é claro.

Euribor sobem a três e 12 meses para novos máximos e mantêm-se a seis meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, manteve-se hoje em 1,803%, um máximo desde setembro de 2011.
Comentários