Economia está mais resiliente, mas há “significativas fontes de risco sistémico”, diz BdP

No relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o Banco de Portugal identifica a atual conjuntura internacional como fonte de pressão para a economia portuguesa.

Cristina Bernardo

A economia portuguesa aumentou a capacidade de resistir a eventuais choques externos, mas os crescentes constrangimentos internacionais continuam a colocar pressão para Portugal, segundo o Banco de Portugal.

No Relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o regulador salienta as “significativas fontes de risco sistémico” na atual conjuntura internacional, ainda que reconheça que o país prosseguiu “a redução das vulnerabilidades da economia portuguesa e do sistema bancário português e aumentou a resiliência a choques adversos”.

“Importa realçar que este trajeto de melhoria tem de continuar a ser desenvolvido e aprofundado em função da permanência de constrangimentos importantes, designadamente a manutenção de um baixo crescimento potencial da economia portuguesa”, refere.

O BdP sublinha que a economia portuguesa registou este ano “desenvolvimentos favoráveis do ponto de vista financeiro”, nomeadamente a redução dos rácios de endividamento do setor privado e o aumento da capitalização das sociedades financeiras.

O regulador salienta ainda a diminuição da dívida pública, desde 2017, prevendo que a balança de capital “deverá manter um excedente no conjunto do ano”. Destaca ainda a recuperação da rendibilidade bancária e a diminuição do crédito malparado, que “continuaram a reduzir-se a um ritmo significativo”.

Relacionadas

BdP: Principal ameaça à estabilidade financeira é a reavaliação “abrupta” dos prémios de risco

No Relatório de Estabilidade Financeira, o Banco de Portugal salienta que este risco se agravou face à avaliação do último relatório da instituição.
Recomendadas

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

Fundação ”la Caixa”, BPI e NOVA SBE renovam parceria de 2,2 milhões

Iniciativa para a Equidade Social vai prolongar-se por mais três anos, até 2024, segundo acordo assinado esta tarde na Nova SBE, em Carcavelos. A parceria tem como objetivo impulsionar o sector da economia social em Portugal, através de projetos de investigação e capacitação desenvolvidos por equipas académicas especializadas.

Bancários reformados avançam com “manif” para 6 de outubro e pedem fiscalização da constitucionalidade a Marcelo

Os sindicatos da banca filiados na UGT entregaram hoje ao Presidente da República o pedido de fiscalização sucessiva previsto na Constituição relativamente ao pacote legislativo de mitigação da inflação, atendendo à sua previsível inconstitucionalidade por não incluir a totalidade dos bancários reformados.
Comentários