EDP adquire empresa polaca de energia solar Soon Energy

“Estamos empenhados em crescer de forma intensa no mercado polaco e acreditamos que esta aquisição é o passo certo para aumentar a nossa ambição”, referiu a administradora executiva da EDP, Vera Pinto Pereira.

A EDP anunciou hoje que vai adquirir a empresa polaca de energia solar Soon Energy, que tem mais de 25 megawatt-pico (MWp) instalados em projetos por toda a Polónia, sem revelar o valor do negócio.

“Com a aquisição da Soon Energy, a EDP Comercial ganha acesso a uma força de vendas local com cerca de 400 agentes comerciais e a uma equipa que se tem vindo a especializar no fornecimento de soluções sustentáveis de energia para o segmento empresarial”, informou a EDP, em comunicado.

Segundo a EDP, as sinergias com a Soon Energy, que teve receitas de seis milhões de euros no ano passado, vão permitir crescer cinco vezes a presença atual da empresa portuguesa no mercado polaco, onde entrou em 2020, através da EDP Energia Polska.

“Estamos empenhados em crescer de forma intensa no mercado polaco e acreditamos que esta aquisição é o passo certo para aumentar a nossa ambição”, referiu a administradora executiva da EDP, Vera Pinto Pereira, citada na mesma nota.

Em 2021, a EDP forneceu cerca de 50 gigawatt-hora (GWh) de energia a clientes empresariais na Polónia e contratou mais de cinco MWp de capacidade em projetos de autoconsumo solar em clientes empresariais.

“A venda, construção e manutenção de instalações solares descentralizadas é um dos eixos de crescimento do plano de negócios da EDP até 2025”, apontou a empresa do grupo EDP, que pretende ter mais de dois GW instalados em casa das famílias e nas empresas a uma escala global.

 

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Presidente da Ryanair antecipa subida de preços nas ‘low-cost’

Michael O’Leary diz que o preço médio por bilhete deverá subir entre 10 a 20 euros nas viagens low-cost, que estão a tornar-se, segundo o mesmo, “demasiado baratas”.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários