Eduardo Cabrita diz que novo diretor do SEF tem “prestígio indiscutível”

Eduardo Cabrita acredita que o novo diretor do SEF “tem as condições ideais que eu e o senhor primeiro-ministro entendemos necessárias para cumprir o programa do Governo”.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita enalteceu esta sexta-feira, 18 de dezembro, o percurso de Miguel Botelho, o novo diretor do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que irá substituir Cristina Gatões no cargo.

“É um cidadão, hoje general na reforma, que tem um prestígio indiscutível e que por isso, tal como demonstra o seu percurso de vida e profissional, assim como as funções que desempenhou no Ministério da Administração Interna, tem as condições ideais que eu e o senhor primeiro-ministro entendemos necessárias para cumprir o programa do Governo”, apontou Eduardo Cabrita aos jornalistas em Salvaterra de Magos.

O governante destacou que Miguel Botelho esteve “por exemplo na reposição de fronteiras em março que juntamente com o SEF foi executada pela GNR quando ao fim de 35 anos com grande capacidade a Guarda Nacional Republicana colaborou”. Eduardo Cabrita frisou que, sem esta cooperação, as fronteiras com Espanha não se tinham fechado de forma tão célere.

Quanto a uma possível junção do SEF a outra força policial, Eduardo Cabrita afirmou que “o programa do Governo prevê a separação [do SEF] das funções policiais e as funções administrativas e o que estamos a fazer atempadamente passa por desencadear aquilo que o senhor Presidente da República qualificou como uma verdadeira revolução, isto é, uma alteração do programa do Governo”.

A nova liderança do SEF foi anunciada esta sexta-feira em comunicado. O sucessor de Cristina Gatões, o tenente-general Botelho Miguel, exerceu diferentes cargos de comando entre 2010 e 2020 na Guarda Nacional Republicana. Desde julho, deixou de ter funções enquanto Comandante-Geral.

Em causa está a morte do ucraniano Ihor Homeniuk nas instalações do SEF. O caso motivou a demissão da antiga diretora do SEF, Cristina Gatões, uma decisão que segundo Eduardo Cabrita, veio demasiado tarde. “Eu cometo erros quer de tempo quer de avaliação. Mas no contexto do que era possível fazer face à tragédia com que fomos confrontados, o essencial foi feito a dia 30 [de março]. A senhora diretora do SEF podia ter cessado funções na altura? Obviamente que podia. Mas nem o processo crime nem o processo disciplinar a envolvem”, disse Eduardo Cabrita em entrevista à Renascença a 17 de dezembro.

Relacionadas

Botelho Miguel é o novo diretor nacional do SEF

O tenente-general Botelho Miguel exerceu vários cargos de comando entre 2010 e 2020 na Guarda Nacional Republicana, tendo cessado funções como Comandante-Geral em julho. Substitui no cargo Cristina Gatões que se demitiu devido à morte do cidadão ucraniano em março no aeroporto de Lisboa.

Secretária de Estado para as Migrações ficou “completamente chocada” com morte de Ihor

“Neste caso, e falando no caso do cidadão Ihor Homeniuk, o que aconteceu é algo que a mim me deixou completamente chocada, foi terrível e principalmente quando Portugal se distingue por acolher bem imigrantes, por ser algo de que temos orgulho e que está no nosso currículo, nesse sentido é algo que chocou toda a gente”, apontou Cláudia Pereira, secretária de Estado para a Integração e as Migrações.
Recomendadas

Apertem os cintos! Vamos agora aterrar em Santarém. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Marcelo defende equilíbrio por parte do BCE para evitar estagnação

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje que o BCE deve procurar um equilíbrio e “pensar muito bem” na subida de juros para evitar a estagnação económica.

Luís Menezes Leitão formaliza recandidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

O atual bastonário da Ordem dos Advogados, Luis Menezes Leitão, anunciou que formalizou esta terça-feira em Lisboa a sua recandidatura ao cargo para o triénio 2023-2025.
Comentários