PremiumEleições britânicas divididas entre quinta-feira santa e “black thursday”

Maior dúvida face às eleições de 12 de dezembro tem a ver com a extensão da vantagem dos conservadores. Tudo aponta para uma maioria absoluta, mas ainda poderão haver surpresas de última hora.

A acreditar nas sondagens, em todas as sondagens, que refletem as intenções de voto dos britânicos nas eleições da próxima quinta-feira, 12 de dezembro, a única dúvida que sobrevive para além da matemática mensurada em gráficos é a de saber-se qual é a extensão do gap entre vencedores (os conservadores) e o resto da tribo – onde se incluem os trabalhistas.

A acreditar em algumas sondagens, não em todas as sondagens, o atual primeiro-ministro, Boris Johnson, já está no interior do perímetro da maioria absoluta, onde se entra a partir dos 326 deputados, e dificilmente voltará a sair. Logo se verá quem tem razão nessa quinta-feira, a próxima, que pode ser a de todas as certezas, mas, até lá, vale a pena observar algumas notas significativas.
A sucessão de sondagens sobre a posição relativa dos partidos permite desde logo observar que no início do ano as intenções de voto numas eleições na altura apenas fictícias (pelo menos para os mais distraídos) aproximava perigosamente conservadores e trabalhistas, deixando muito para trás todos os outros partidos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.

PremiumGeorge Clooney e o Speedmaster ’57

Coincidindo com o 65º aniversário da linha Speedmaster, a coleção completa Omega Speedmaster ’57 inclui agora oito novos modelos.

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.
Comentários