Eleições do Reino Unido geram 15 milhões de ‘tweets’

Durante o período que antecedeu a eleição de Boris Johnson o Twitter revelou que chegou a ter “picos” de 10 mil tweets por minuto.

Com as redes sociais a serem cada vez mais preponderantes nas eleições a nível mundial, a cada processo eleitoral assiste-se a um aumento do número de publicações nas diferentes plataformas. Segundo a rede social Twitter, as eleições do Reino Unido geraram 15 milhões de tweets um aumento de 66% face à eleição anterior que se realizou em 2017.

O Brexit é um dos fatores principais que catapultou esta eleição na esfera das redes sociais. A saída do Reino-Unido da União Europeia fez com que alguns britânicos apelidassem o ato eleitoral como “as eleições mais importantes desta geração”. A preocupação gerada fez com que as redes sociais se tornassem num dos fatores preponderantes, onde candidatos e eleitores partilhavam as suas visões e opiniões.

Um dos pontos altos da campanha eleitoral foi quando o partido do, agora primeiro-ministro, Boris Johnson alterou o nome no Twitter de partido conservador para ‘FactcheckUK’ algo que a administração da rede social não deixou passar, e três dias depois proibiu propaganda politica na plataforma.

Durante o período que antecedeu a eleição de Boris Johnson o Twitter revelou que chegou a ter “picos” de 10 mil tweets por minuto.

As publicações com eleitores e candidatos acompanhados pelos seus cães foram das publicações mais populares, o que já é uma tradição no Reino Unido, segundo a empresa.

Recomendadas

Mundial2022: Federação do Irão acusa a dos EUA de suprir símbolo de Alá

“Num ato não profissional, a página do Instagram da Associação Americana de Futebol removeu o símbolo de Alá da bandeira iraniana”, denunciou agência de notícias oficial Irna, que revelou o facto da federação iraniana ter enviado um email à FIFA “para exigir que envie um aviso sério” à sua congénere.

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

Ucrânia: Sistema energético estabilizado após dias sem luz devido a ataques russos

A invasão foi condenada pela comunidade internacional, que respondeu, com destaque para a União Europeia e os Estados Unidos, com ajuda militar, humanitária e económica a Kiev e a imposição de sanções económicas e políticas sem precedentes a Moscovo.
Comentários