Eleições na OA: o resultado esperado

Não sabemos, até à data, se o Bastonário cumpriu, como escrupulosamente devia, a deliberação da Comissão Nacional de Proteção de Dados e respetivas recomendações.

A Ordem dos Advogados está nas bocas do mundo desnecessariamente. Desde 29 de julho que se adivinhava este desfecho. As pressas têm destas coisas e o Bastonário não pode ignorar os alertas que, desde então, têm tocado.

1) Onde anda o Data Protection Officer (DPO)?

Até à presente data não sabemos o que pensa o mesmo, nem temos conhecimento se emitiu, como devia, algum parecer. Se há alguém que tem um papel importante, independente e obrigatório nesta matéria. é o DPO da Ordem dos Advogados, cuja pronúncia devia ser pública e que, apesar de ter sido requerida, nada se sabe.

2) Questões técnicas

A verificarem-se anomalias, estas têm de ser devidamente esclarecidas, por quem estiver devidamente preparado e credenciado, para que duvidas não subsistam. Ora, permanecem as mesmas porquanto não se encontram devidamente justificadas, nem será a desculpa do PDF (formato de arquivo) que tornará o processo explicável, transparente e facilmente percetível para o advogado comum.

3) O mais importante: a CNPD

Não sabemos, até à presente data, se o Bastonário cumpriu, como escrupulosamente devia, a deliberação da Comissão Nacional de Proteção de Dados e respetivas recomendações. Os comunicados do Bastonário, exíguos no seu teor, não vêm, como deviam, esclarecer e informar os advogados sobre o cumprimento. Apesar de ter sido por mim requerido tal esclarecimento, nada foi dito até ao presente. É à CNPD que cumpre a palavra final de comprovar se a Ordem cumpriu, ou não, à risca a deliberação. Pergunte-se, então, à CNPD, pois parece que a “missa ainda não vai no adro“…

Recomendadas

Portugal perde com a Roménia e falha ‘final four’

As grandes transformações económicas e sociais de que o país precisa para corrigir a trajetória da divergência em relação à Europa não dependem da quantidade de dinheiros comunitários. Depende da conceção estratégica que se quer para Portugal.

O regresso ibero-americano

O potencial surgimento de um entendimento regional mais profundo, o abrandamento do cenário de hostilização dos EUA à Venezuela e, sobretudo, a necessidade de as potências globais negociarem com outros países a sua influência, deixam caminhos abertos à América Latina.

Uma estagnação sem mistério

Nem numa área que é querida pelo Governo e que se tornou mais urgente e importante com a invasão da Ucrânia, a energia renovável, a administração pública funciona.
Comentários