Empresas e empreendedores apostam na inovação e encontram nova vida para pneus a chegar ao fim

A Beta-i, a Valorpneu, as multinacionais Genan e a Decathlon aceitaram o desafio de dar uma segunda vida aos pneus. Com o resultado deste projeto piloto, conseguiram reduzir 700 quilos de emissões de carbono na produção e cerca de 75% do consumo total de energia e água na sua produção.

A palavra “sustentabilidade” tem estado na ordem do dia das empresas e dos consumidores uma vez que cada vez mais são descartadas milhares de milhões de toneladas de materiais a que pode ser dada uma segunda vida.

É o caso dos pneus. Todos os anos no mundo são descartados mais de 30 milhões de toneladas de pneus em fim de vida, sendo que, só em Portugal, são descartadas 80 mil toneladas. Destas, 60% são encaminhadas para reciclagem e cerca de 40% para produção energética.

Tendo isto em conta, a consultora Beta-i, a portuguesa Valorpneu, a recicladora multinacional dinamarquesa Genan uniram-se, no âmbito do programa NextLap, e aceitaram o desafio de dar uma segunda vida a este material.

A estes, juntaram-se nove empresas associadas à cadeia de valor do sector e cinco empreendedores portugueses que começaram a desenvolver em conjunto seis projetos focados em dar uma segunda vida a materiais derivados da reciclagem de pneus em fim de vida e promover um mercado mais circular. A gigante francesa do desporto Decathlon, ao lado dos parceiros de inovação Rubberlink e Tintex, são responsáveis por dois destes projetos-piloto, que consistem em protótipos de calçado fabricado com materiais de pneus descartados, nomeadamente, o granulado de borracha, fibras têxteis e aço.

Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários