Carlos Costa: “Endividamento das administrações públicas pode condicionar a trajetória da economia”

O governador do Banco de Portugal fez o discurso de abertura do Fórum Banca 2016 e falou sobre as recentes mudanças estruturais no sistema bancário.

Cristina Bernardo

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, sublinhou os desafios com os quais a banca se tem confrontado, em declarações no Fórum Banca 2016. “Se não formos capazes de resolver estes problemas vamos ter um processo de resolução económica denso e alguns acidentes de percurso”, realçou, durante a conferência organizada pelo Jornal Económico, em parceria com a PwC.

O governador do Banco de Portugal resumiu em três pontos a apresentação, começando por responder à questão “onde estamos?”. Tendo como base uma série de gráficos sobre o endividamento, Carlos Costa disse que “o endividamento das administrações públicas pode condicionar a trajetória da economia portuguesa” e sublinhou a importância de uma política orçamental eficaz, que considera crucial para “a vida das empresas e situação dos particulares”.

Carlos Costa falou sobre as recentes mudanças estruturais no sistema bancário e referiu que “houve uma redução muito significativo do nível de alavancagem do sistema”. Apresentado os pontos positivos das alterações que foram postas em vigor, Carlos Costa sublinhou que “os bancos têm hoje em dia um nível de capital superior”.

“Obviamente que isto não se faz sem custos”, acrescentou, perante a audiência do Salão Nobre do Hotel Ritz. O discurso do responsável pelo Banco de Portugal respondeu ainda às questões “de onde vimos?” e “para onde devemos ir?”. A apresentação completa estará disponível no site do Banco de Portugal.

Esta quarta-feira, o Jornal Económico e a PwC promovem o Fórum Banca 2016, um evento que debate os temas que marcam a atualidade no setor bancário.

A decorrer no Salão Nobre do Hotel Ritz Four Seasons, o evento está a ser transmitido em directo, até ao início da tarde de hoje, no site do Jornal Económico (www.jornaleconomico.pt) em parceria com o portal SAPO.

Recomendadas

Novo Banco: Tribunal de Contas atento ao acolhimento das recomendações, diz José Tavares

O presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, afirmou hoje que o Tribunal “continuará ativo” em relação ao Novo Banco nomeadamente ao nível da aplicação das recomendações formuladas nas auditorias.

Sindicatos culpam Montepio por impasse nas negociações salariais

A “responsabilidade deste impasse” na negociação salarial “é inteiramente do Montepio Geral”, afirmam o SNQTB e o SIB, que propuseram uma atualização salarial, das pensões e cláusulas de expressão pecuniária de 1,3% para 2021 e 5,5% para 2022.

Sistema bancário e financeiro tem que ter “robustez” para lidar com “disruptores operacionais”

A nova administradora do BdP refere duas preocupações principais para os bancos centrais: a salvaguarda da resiliência do sistema, tão mais importante com o advento da digitalização e das moedas cripto, bem como a garantia de conduta para assegurar a confiança no sistema em si.
Comentários