“Enfermeiro” e “professor” lideram as escolhas para “Palavra do Ano”

“Enfermeiro”, “professor” e “toupeira” lideram as escolhas para a “Palavra do Ano” em www.palavradoano.pt, que já ultrapassou os 175.000 votos, e é conhecida no próximo dia 05 de janeiro, no Porto, anunciou hoje a organização.

“Pela primeira vez em dez anos, o anúncio oficial da Palavra do Ano vai acontecer no Porto, no dia 5 de janeiro, pelas 17:00, na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, numa sessão aberta à população, e que tem como convidados especiais o escritor Valter Hugo Mãe, a professora universitária Felisbela Lopes e o radialista Fernando Alvim”, disse à agência Lusa Paulo Rebelo Gonçalves da Porto Editora.

Segundo a mesma fonte, da lista de dez palavras à votação ‘online‘ até às 23:59 da próxima segunda-feira, as candidatas “enfermeiro”, “professor” e “toupeira” continuam na linha da frente, tal como acontecia no primeiro balanço, feito no dia 15 de dezembro.

“Regista-se uma luta intensa entre as duas primeiras – “enfermeiro” e “professor” -, mantendo-se “toupeira” à espreita”, disse o responsável.

A justificação da liderança destas três palavras é avançada por Paulo Rebelo Gonçalves: “Por um lado, pela força dos acontecimentos ocorridos ao longo deste ano, com grande cobertura noticiosa e impacto na opinião pública, como ainda por estes dias se verificou. Por outro lado, pela relevância social que aquelas palavras transportam, tratando-se ora de classes profissionais (enfermeiros e professores) ora de uma polémica envolvendo futebol e justiça”.

As restantes candidatas perfilam-se da seguinte forma: “privacidade”, “assédio”, “populismo”, “extremismo”, “paiol”, “sexismo” e “especulação”.

O responsável advertiu que a organização “está atenta às tentativas de ataques piratas, que são identificados e repelidos” e garantiu “a fiabilidade de todo o processo à prova de quaisquer tentativas de ciberataques”.

No ano passado, a “Palavra do Ano” escolhida foi “incêndios”, numa votação em que participaram 30.000 internautas.

“Incêndios” alcançou 37% dos votos, impondo-se às restantes nove candidatas.

O vocábulo “incêndios” foi escolhido devido aos “sucessivos incêndios” que se fizeram sentir durante o ano passado em todo o país.

O ano de 2017 “foi um dos mais trágicos de sempre, pela enorme quantidade de vítimas e pela dimensão da área atingida”, justificou a Porto Editora, quando apresentou a lista de palavras candidatas.

No 2.º lugar, com 20% dos palavvotos, ficou o vocábulo “afeto” e, no 3.º, “floresta”, com 14% das escolhas.

Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários