Era Digital – Desenvolver ou Comprar?

O estudo EY “Dealing in a Digital World”, efetuado com base em 600 entrevistas a executivos de empresas não tecnológicas, procurou entender qual a visão dos seus executivos para a Era Digital e permitiu à EY a acompanhar os interesses e preocupações dos seus clientes.

A Transformação Digital (TD) tem tanto de desafio como de oportunidade. Certo é que deixou de ser uma escolha e tornou-se uma inevitabilidade para as empresas a nível global.

Num mundo em que se estima que 75% das empresas atualmente presentes na S&P 500 sejam substituídas até 2027, é impossível não reagir à 4ª revolução industrial. Um dos grandes desafios para as empresas será certamente acompanhar o ritmo da mudança, inovação e a competitividade, tanto dos concorrentes históricos como dos não tradicionais.
As 600 entrevistas realizadas permitiram concluir que a grande maioria dos executivos já não vê a preparação a TD como uma estratégia de IT ou um investimento pontual, mas na realidade 87% está a alocar uma parte significativa do seu capital dos próximos dois, três anos a TD, 55% desenvolveram métodos sofisticados para quantificarem esta necessidade de capital, 59% considera não ter os recursos necessários para efetuar esta transformação e 67% acredita que este investimento terá se passar por M&A.

O processo de escolha e reconhecimento do melhor investimento para se preparar para a TD em curso é complexo e requer um grande conhecimento interno, no que toca às necessidades e capacidades internas, mas também um enorme reconhecimento e capacidade de previsão das necessidades do setor e conhecimento das tecnologias existentes que permitam a otimização dos interesses da empresa com o investimento (76% dos inquiridos considera que uma visão estratégica das necessidades digitais é a parte mais relevante da TD).

O paradigma está a mudar, digitalização da economia não é simplesmente inovação, é necessário ser-se disruptivo, as grandes empresas entrevistadas sentem que alianças estratégicas a start-ups poderão potenciar o que é necessário. Este facto é no entanto em si um desafio, pela complexidade e risco inerente ao mercado e valorização das start-ups, e pela velocidade necessária na TD que pode transformar um investimento menos informado e apoiado, num risco muito maior de uma oportunidade perdida e sem retorno.

No entanto, capital é chave e as empresas deverão olhar para o seu portfólio de forma a identificar gaps e combinar estratégias e alianças de M&A inorgânicas com estratégias de investimento orgânicas. Uma estratégia integrada poderá assim oferecer um caminho mais célere para a implementação de uma TD, e a aquisição de inovação poderá ajudar a transformar o seu negócio.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

A adoção de cloud nas organizações

A adoção de cloud é vital para a transformação digital, adotando tecnologias disruptivas e otimizando as organizações.

O arquivo eletrónico e a desmaterialização de faturas e documentos

Os requisitos técnicos e legais referentes à desmaterialização de faturas e demais documentos fiscalmente relevantes, e de constituição do arquivo eletrónico, foram definidos com a publicação do Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro.

Reinventar o SNS

Colocam-se ao SNS desafios associados ao envelhecimento populacional, à maior prevalência de doenças crónicas, ao maior consumo de cuidados de saúde e à maior exigência dos utentes.
Comentários