ERC dá cabo da agenda do PSOE e de Filipe VI

Durante o dia de hoje haverá mais um encontro entre os republicanos da Catalunha e o PSOE, desta vez em Barcelona. Mas o partido de Junqueras já deixou saber que não tem pressa e que os compromissos é que contam.

A Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) atirou para depois do Natal mas mais provavelmente para o início do próximo ano um acordo com o PSOE para viabilizar a investidura de Pedro Sánchez como chefe do governo – dando cabo da agenda socialista, mas também da de Filipe VI.

Citada por vários jornais espanhóis, a porta-voz do partido, Marta Vilalta, garantiu que as posições de convergência com o PSOE permanecem remotas e, portanto, incapazes de, em questão de dias, estarem suficientemente alinhadas para a investidura.

Depois da reunião na semana passada entre os dois partidos, o PSOE avançara com a possibilidade de a investidura ser concluída antes do Natal e o rei Filipe VI apressou-se a fechar um calendário para a audição de todos os partidos com assento na Cortes em tempo-recorde.

Mas a ERC – liderada por Oriol Junqueras a partir da prisão – não parece ter pressa, até porque, recorda Vilalta, “a ativação da rota política implica interromper a rota judicial”. Com poucas esperanças de que o alinhamento se dê ainda este ano, os dois partidos vão encontrar-se hoje mais uma vez, agora em Barcelona – mas em local que permanece desconhecido.

“Não é possível negociar com pressa e o possível acordo será para janeiro, porque será complicado avançar nos próximos dias”, acrescentou Marta Vilalta, que faz parte da comissão de negociação dos republicanos. A porta-voz convidou Sánchez a mudar de posições se quiser agilizar a investidura: “se existe a vontade do PSOE de ativar o caminho político, deve haver gestos”, disse.

A ERC coloca como condição para abster-se (e assim viabilizar a investidura de Sánchez) que o governo do PSOE-Unidas Podemos estabeleça, após a investidura, uma base de diálogo sobre o conflito político catalão entre representantes do executivo central e o governo regional. Essa negociação deve ter, diz a ERC, um calendário definido, sem assuntos tabus (os republicanos colocarão sobre a mesa a autodeterminação) e com “garantias de cumprimento”. A abstenção da ERC e o ‘sim’ de vários partidos nacionalistas não independentistas são necessários para que Sánchez seja investido à segunda volta (quando já não for necessária uma maioria absoluta

Relacionadas

PSOE e ERC aproximam posições e emitem declaração conjunta

Ao contrário do que aconteceu na semana passada, a reunião desta terça-feira entre os independentistas catalães e o PSOE fechou com um documento conjunto. O rei encontra-se hoje com a presidente do parlamento.

ERC mantém o ‘não’ à investidura de Sánchez, mas também mantém as negociações

A primeira ronda de negociações entre os socialistas e os independentistas catalães acabou sem acordo, mas o segundo encontro já tem data marcada. A convicção é que no fim haverá acordo.
Recomendadas

Migrantes mais vulneráveis ao tráfico e usura devido à pandemia, alerta Aliança Internacional de Migrantes

A Aliança Internacional de Migrantes (IMA, na sigla em inglês) vai realizar, a partir de quarta-feira e durante quatro dias, a primeira assembleia geral desde o início da pandemia, reunindo na capital da Tailândia, Banguecoque, cerca de 150 representantes de mais de 30 países, incluindo Jenny Uchuari, representantes dos imigrantes do Equador no Brasil.

Presidente de Taiwan falha estratégia de usar a China como ameaça

Tsai Ing-wen renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio à China não ter conquistado o eleitorado.

NATO Industrial Advisory reúne com a indústria da defesa em Gaia

Órgão consultivo e de assessoria de alto-nível que atua como foco e porta-voz das indústrias e das associações nacionais de defesa e segurança junto da NATO, reúne de 28 a 30 de novembro com 51 entidades de 25 países.
Comentários