Ergostart: A incubadora que realiza ideias empreendedoras

A Ergostart é uma startup, na área de mobiliário, que pretende dar oportunidade a todos as pessoas de verem as suas ideias de produto serem materializadas, onde constituir uma startup não é prioridade, mas sim ter uma boa ideia.

Formado em Engenharia Mecânica, pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Vítor Barbosa, iniciou a sua carreira em 1992, tendo integrado, sete anos depois, a administração da empresa Nautilus, S.A., dedicada ao desenvolvimento de mobiliário e tecnologias para a educação, onde assume o cargo de CEO.

Constituiu a incubadora de ideias Ergostart, em 2015, e em entrevista à StartUp Magazine, explica o conceito da empresa, que foi criada com o objetivo de estimular o espírito de iniciativa e empreendedorismo no meio académico e empresarial, bem como a sua ligação à Nautilus.

Como surgiu a ideia e nasceu a Ergostart?

Vitor Barbosa (VB): A Ergostart tem o objetivo de dar a todos os empreendedores, das mais diversas áreas de estudos, a oportunidade de ver a sua ideia de produto materializada. Muitas boas ideias não são desenvolvidas porque não existe capacidade financeira por parte do empreendedor para chegar à fase de industrialização. Além disso, ao contrário das incubadoras tradicionais, a ERGOSTART não exige que seja criada uma startup, ou que o empreendedor tenha capacidade de gestão. Apenas é necessário ter uma boa ideia.

A startup está intimamente associada à Nautilus, empresa de mobiliário e tecnologias da educação, de que o Eng. Vitor Barbosa também é CEO. Porquê autonomizar numa nova esse investimento para impulsionar ideias inovadoras para a Nautilus?

VB: A Nautilus é uma empresa dedicada à produção de mobiliário para vários segmentos, como o escolar, corporativo, museus, escritório, entre outros. Desenvolve também tecnologias interativas, sendo estes dois setores o seu core business. Com a automização da Ergostart, pretende-se abrir o leque de produtos a desenvolver, sem qualquer restrição.

Os empreendedores financiados pela Ergostart em que moldes ficam a funcionar? Criam as suas próprias empresas e funcionam autonomamente ou ficam a trabalhar exclusivamente para a Nautilus?

VB: A Ergostart tem disponíveis vários modelos de parceria para melhor dar resposta às necessidades de cada promotor. Assim, cada promotor pode escolher entre três modelos de remuneração possíveis: o pagamento de royalties associado à atribuição à NAUTILUS, S.A., de exclusividade de comercialização do produto desenvolvido; a incorporação dos quadros da empresa NAUTILUS, S.A; ou a alienação dos direitos propriedade intelectual.

A call for ideas Ergostart pretende funcionar, no futuro, como uma incubadora de empresas?

VB: Neste momento, a incubadora encontra-se já em atividade. O primeiro projeto aprovado já entrou em fase de produção e o primeiro produto será lançado no mercado no primeiro trimestre de 2017. A incubadora abre a call for ideas e está sempre disponível para receber novas ideias para o desenvolvimento de novos produtos. Não será necessária a constituição de uma empresa, onde estão disponíveis os três modelos de remuneração, referidos na pergunta anterior.

Existe um valor máximo definido para cada ideia ou projeto premiado no âmbito do milhão de euros?

VB: O valor para cada ideia que for aceite não tem um máximo definido. Depende da qualidade da ideia e do valor de mercado da mesma.

O  montante disponível de um milhão de euros é renovável ou poderá eventualmente ser aumentado?

VB: Sim, o montante disponível é renovável. Quando este se esgotar, pretende-se reforçar o fundo ou investimento, continuando a apoiar todas as ideias inovadoras.

A Nautilus, fundada em 1996, aposta fundamentalmente em dois segmentos: mobiliário e tecnologias para a educação. As ideias dos novos empreendedores devem visar, exclusivamente, o desenvolvimento de produtos cujo processo seja a injeção de polímeros?

VB: A Ergostart pretende exclusivamente produtos cujo processo produtivo seja a injeção de polímeros, pois permite a elevada capacidade de produção em série, numa matéria-prima de elevada resistência, o que, a médio-longo prazo, oferecerá ao mercado produtos muito competitivos de alta qualidade. A Nautilus disponibiliza a sua capacidade produtiva, sendo uma empresa que detém quatro unidades industriais, uma destas dedicada unicamente à injeção de polímeros.

Por fim, poderão ser, no âmbito destes segmentos de produtos da Nautilus, apresentadas outras novas ideias?

VB: O setor para o qual os produtos selecionados pela Ergostart serão direcionados não tem qualquer restrição, pelo que serão elegíveis ideias de produtos para várias áreas, seja para uso doméstico, organizacional ou industrial.

Recomendadas

PremiumFintech House muda de sede para duplicar número de startups

‘Joint venture’ da associação Portugal Fintech e da rede de espaços de trabalhos partilhados Sitio investiu perto de um milhão de euros na mudança do edíficio na Praça da Alegria para o da Avenida Duque de Loulé, com dez pisos e mais de 2 mil metros quadrados.

PremiumTecnológica que está a mudar emissões de dívida chega a Portugal

Fredrik Creutz, ex-diretor do Goldman Sachs no Reino Unido, contou ao JE a missão da sua nova empresa NowCM, que inaugura esta sexta-feira um escritório em Oeiras e é parceira da Fintech House.

Incubadora de Coimbra lidera consórcio para agilizar testes de tecnologias na saúde

O Instituto Pedro Nunes (IPN), de Coimbra, vai liderar o consórcio nacional de um projeto europeu que pretende agilizar o processo de certificação e testes de tecnologia baseada em inteligência artificial e robótica na área da saúde.
Comentários