Escassez de trabalhadores no turismo? AHRESP apresenta nove medidas para resolver o problema

Desde a criação de estratégias criativas para atrair e reter profissionais à elaboração de um ‘Livro Verde do Mercado do Trabalho HORECA’, conheça as medidas apresentadas pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal.

No começo do mês a Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, estimou que Portugal precise de 45 mil a 50 mil trabalhadores no sector do turismo. A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) reconhece a escassez de trabalhadores e como tal apresenta nove medidas para ajudar com o problema.

“As empresas do Alojamento Turístico e da Restauração e Bebidas devem procurar empreender estratégias criativas para atrair e reter profissionais, que devem ir além da retribuição e que podem passar por sistemas de avaliação, práticas de reconhecimento, garantias de progressão na carreira e a uma melhor conciliação entre vida profissional e vida familiar”, aponta a AHRESP como primeira medida, em comunicado.

Além disso, a associação sugere que “o valor da retribuição tenha sempre em consideração os ganhos de produtividade, fruto do desempenho individual do trabalhador, mas também do desempenho coletivo ao nível de toda a estrutura empregadora”.

Outra medida, remete para “criação de um ambiente mais favorável ao funcionamento das empresas, nomeadamente por via da redução de encargos fiscais, nomeadamente aqueles diretamente relacionados com o trabalho”.

Relativamente ao tempo de trabalho a AHRESP propõe “uma melhor e mais adequada gestão”, indicado que este “é um fator que gera maior produtividade, o que aumenta a disponibilidade financeira para que as empresas possam proporcionar melhores condições de trabalho”.

Quanto à valorização das profissões, a associação diz que “devem promover-se iniciativas e mecanismos” neste sentido. Aqui “pode contribuir uma redenominação das categorias profissionais e uma adequação dos seus conteúdos funcionais, por forma a adequá-los à realidade atual e às exigências das nossas atividades”.

No campo da formação, a AHRESP fala do “desenvolvimento e implementação de um programa de curta duração, para as categorias profissionais mais carentes de mão-de-obra qualificada e que, desta forma, facilitem o acesso à profissão”. “Estas formações devem ser divulgadas e promovidas junto de desempregados e de ativos de outras áreas de atividade que desejem iniciar uma carreira nas empresas de Alojamento Turístico e de Restauração e Bebidas”.

Ainda na área da formação, representante de Restauração e Hotelaria afirma ser “urgente uma aposta séria e estruturada na qualificação dos trabalhadores do turismo, promovendo-se um sistema de ensino dual, complementando a aprendizagem com a experiência prática”.

No comunicado a AHRESP pede também que a imigração seja “encarada como fazendo parte da solução, desde que de forma organizada e com garantia de condições dignas, de trabalho e de vida”. “Para isso, o poder público deverá ainda rever os atuais mecanismos de legalização para trabalhadores por conta de outrem e de reconhecimento de habilitações, que devem ser agilizados”, sublinha.

Por fim, a associação sugere ainda a “elaboração de um ‘Livro Verde do Mercado do Trabalho HORECA’, para, de forma clara e precisa, se identificar as atuais carências do Mercado, quer em termos de quantidade de recursos humanos, quer em termos da sua qualificação”.

 

 

Relacionadas

AHRESP apela à inclusão das empresas do turismo nos apoios anunciados pelo Governo

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal refere que as empresas destes sectores vão passar sérias dificuldades após o fim da época alta. Numa altura em que ainda não se atingiram os números pré-pandemia, já se saldam dívidas contraídas durante a mesma, indica.

AHRESP aplaude redução de período mínimo de isolamento para cinco dias

A AHRESP aplaudiu hoje “a redução de período mínimo de isolamento para cinco dias” para quem estiver com sintomas ligeiros ou suspeitas de covid-19, referindo que o setor estava a ser prejudicado pela regra anterior.

AHRESP e Deco querem adiamento de cobrança da contribuição para embalagens de plástico de utilização única

A medida em questão, que foi aprovada pelo Parlamento Europeu, visa “reduzir o consumo destes produtos na União Europeia, numa primeira fase até 2025, e uma meta de redução ainda mais exigente em 2030, sendo objetivo da Estratégia Europeia para os Plásticos assegurar que todas as embalagens de plástico colocadas no mercado da União Europeia sejam reutilizáveis, compostáveis, biodegradáveis, ou facilmente recicláveis”.
Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.
Comentários