Estados Unidos. 10 mortos num tiroteio em supermercado

Dez pessoas morreram este sábado na sequência de um tiroteio num supermercado em Buffalo, no estado de Nova Iorque, Estados Unidos, informaram as autoridades locais. O atirador encontra-se detido.

Dez pessoas morreram este sábado na cidade de Buffalo, no estado de Nova Iorque, quando um atirador entrou num supermercado armado com uma espingarda. Ainda não foi divulgada a identidade do suspeito, mas o mesmo já se encontra detido. A polícia acredita que o mesmo estaria a transmitir o massacre em direto nas redes sociais e procura agora um motivo para o crime.

A governadora do estado de Nova Iorque, Kathy Hochul, disse ao início da noite, na rede social Twitter, que estava “a acompanhar de perto o tiroteio numa mercearia em Buffalo”, a sua cidade natal.

O gabinete do Xerife do Condado de Erie disse pouco depois nos meios de comunicação social que empenhou todo o pessoal disponível para ajudar a polícia de Buffalo. Por sua vez, o Presidente da Câmara, Byron Brown, deslocou-se ao local no final da tarde.

O atirador terá entrado no estabelecimento com uma espingarda e um colete à prova de balas e aberto de imediato fogo sobre os clientes do espaço comercial. Pelo menos dez pessoas perderam a vida, segundo informações avançadas pela AP.

Os investigadores citados pela agência internacional dizem que o atirador estaria a transmitir em direto nas redes sociais quando entrou no supermercado Tops Friendly Market. As autoridades estão agora a investigar se haveria indícios da intenção publicados nos perfis do mesmo, uma vez que o motivo não foi ainda identificado.

O supermercado em causa situa-se num bairro residencial predominantemente negro, a cerca de 5 quilómetros da baixa de Buffalo.

 

Notícia atualizada às 22h15

Recomendadas

Biden lamenta “crise de fé” e desafia jovens contra divisão e ódio nos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lamentou este sábado a divisão e o ódio no país, que sofre uma “crise de fé” nas instituições, e desafiou os jovens a trabalharem para curar as feridas da nação.

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

PremiumDavos discute globalização na era da desglobalização

Depois da pandemia e da guerra na Ucrânia, a globalização nunca mais será a mesma. Na Suíça, os líderes mundiais tentaram descobrir como será o futuro, com todas as fronteiras e limites que as crises estão a criar.
Comentários