Estas são as principais tendências de cibersegurança em 2019

Check Point Software anuncia as tendências que terão maior impacto na cibersegurança dos dados empresariais.

A Check Point Software Technologies Ltd apresentou as tendências que terão maior impacto na cibersegurança dos dados empresariais e na forma como as empresas terão de enfrentar as novas ameaças ao longo de 2019. Este ano assistiu-se a vários incidentes que obtiveram largo destaque mediático, como foi o caso das falhas de segurança que afectaram a British Airways, Ticketmaster, Cathay Pacific, entre outras.

Mas houve outros desenvolvimentos significativos no que respeita às tendências de segurança, o que mostra como o cenário cibernético se está a desenvolver e indica os tipos de ameaças e ataques que podemos esperar para o próximo ano.

Ao longo do ano de 2018, 42% das organizações foram atingidas por malware de crytomining – mais do dobro das empresas que foram afectadas na segunda metade de 2017.

A popularidade do crytomining não é surpresa, uma vez que este tipo de malware é fácil de distribuir e consegue operar de forma indetectável durante meses, gerando receita contínua para os cibercriminosos. Em 2019, o malware de mining continuará a ser aperfeiçoado para escalar as plataformas cloud e os dispositivos móveis desprotegidos.

Espera-se que o malware móvel aumente durante o próximo ano e se assista a variantes de malware mobile que combinem Trojan bancários, key-loggers e ransomware. A machine learning e as técnicas de Inteligência Artificial (IA) ajudaram à identificação de novas ameaças, e a resposta a estas, durante os últimos 18 meses.

No entanto, à medida que a tecnologia se torna cada vez mais disponível, os cibercriminosos também vão começar a tirar partido de técnicas de machine learning para ajudá-los a sondar as redes, encontrar vulnerabilidades e assim desenvolver malware mais evasivo e que seja capaz de contornar a sua detecção.

Enquanto mais dispositivos IoT inseguros estão a ser usados para a criação das redes das empresas, as organizações falham no que respeita ao uso das melhores práticas de segurança. Os dispositivos IoT, e as suas ligações às redes e cloud, continuam, segundo a Check Point Software, a ser um elo fraco de segurança.

Proteger este mundo de dispositivos interligados, com o objectivo de parar novas ameaças escondidas na cloud e difundi-las através de dispositivos não detetados, será crítico.

Esperamos, ainda, assistir à chegada de um sistema de proteção que use agentes de segurança nano – plugins que trabalham em qualquer dispositivo ou sistema operativo, em qualquer ambiente empresarial, desde câmaras de segurança a dispositivos IoT. Estes agentes nano serão capazes de controlar qualquer atributo destinado à/ou proveniente da cloud.

PCGuia
Recomendadas

Timor Gap regista novas imparidades devido a investimento no consórcio do Greater Sunrise

O relatório anual da petrolífera, a que a Lusa teve acesso, regista um lucro operacional negativo de mais de 26 milhões de dólares (26,1 milhões de euros), explicando que “o aumento da perda líquida se deve principalmente às perdas por imparidade”.

Musk avança para a compra do Twitter e ações disparam 22%

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou atrás na negociação e concordou em comprar o Twitter pelo preço original acordado de 44 mil milhões de dólares. As negociações da tecnológica na bolsa norte-americana foram interrompidas aquando do anúncio e retomaram a valorizar 22%.

Amazon congela contratações para a área de retalho

A gigante do comércio eletrónica pausou todas as contratações de executivos para a sua unidade de retalho e interrompeu os processos de recrutamento em curso. Também Google, Apple e Meta já tomaram medidas semelhantes.
Comentários