EUA confirmam recuo de 0,6% do PIB no segundo trimestre

O Departamento do Comércio confirmou hoje que a economia norte-americana caiu 0,6%, em ritmo anualizado, no segundo trimestre deste ano, na terceira e última estimativa sobre a evolução do Produto Interno Bruto (PIB).

A segunda estimativa, divulgada em agosto, já indicava esta contração de 0,6%.

O recuo entre abril e junho segue-se a um outro registado nos primeiros três meses do ano (-1,6%), o que corresponde à definição clássica de recessão, com duas quedas consecutivas do PIB, mas esse cenário tem sido afastado pela administração norte-americana e por vários economistas, que consideram que a economia não está necessariamente em recessão, tendo outros indicadores favoráveis, como a taxa de desemprego, que se mantém baixa (3,7%).

A primeira estimativa relativa ao desempenho da economia no trimestre entre julho e setembro será divulgada no próximo dia 27 de outubro.

O Departamento do Comércio divulgou também uma revisão dos números de 2020 e 2021, indicando que a queda do PIB em 2020, sob efeito da pandemia de covid-19, foi menos acentuada do que tinha sido anunciado, ficando em 2,8% em vez de 3,4%.

Em 2021, a recuperação também foi mais forte, com o PIB a aumentar 5,9% e não 5,7%.

Recomendadas

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.

Joe Biden assina lei que evita greve ferroviária antes do Natal nos EUA

O Presidente dos EUA, Joe Biden, assinou hoje uma lei que impede a greve ferroviária em véspera de Natal, mas que vai contra as exigências de alguns sindicatos, ao deixar os trabalhadores sem dias de baixa por doença remunerados.

UE aprova proposta de limite de 60 dólares por barril de petróleo russo

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.
Comentários