EUA: Pentágono investigou OVNI’s durante cinco anos

O Programa de Identificação de Ameaças de Aviação Avançada (PIAAA) esteve operacional entre 2007 e 2012, tendo então sido encerrado por razões orçamentais.

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos reconheceu publicamente pela primeira vez a existência de um programa de investigação sobre Objetos Voadores Não-Identificados (OVNI).

O Programa de Identificação de Ameaças de Aviação Avançada (PIAAA) esteve operacional entre 2007 e 2012, tendo então sido encerrado por razões orçamentais. O Pentágono, no entanto, diz continuar atento a “todas ameaças e potenciais ameaças ao nosso povo”.

Segundo o New York Times, que avançou com a notícia, o PIAAA custava 22 milhões de dólares por ano ao Tesouro, e era dirigido por Luis Elizondo, um agente dos serviços de inteligência militar.

De acordo com Elizondo, em 2012, quando o governo deixou de financiar o programa, o responsável pelo PIAAA continuou a trabalhar no pentágono, mas em Outubro, apresentou a sua demissão, questionando o Secretário da Defesa Jim Mattis acerca de “por que razão não estamos a gastar mais tempo e esforço neste assunto?”.

Elizondo disse ainda o Pentágono continua a debruçar-se sobre o tema e que até foi nomeado um sucessor, cujo nome não identificou ao Times.

Recomendadas

Irão: Guarda Revolucionária ataca grupos curdos no Iraque

A poderosa Guarda Revolucionária do Irão desencadeou hoje uma onda de ataques com ‘drones’ e artilharia no norte do Iraque, visando o que Teerão diz serem bases de separatistas curdos iranianos, indicou agência noticiosa semioficial Tasnim.

António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

Ucrânia. Reino Unido sanciona organizadores de “referendos fraudulentos”

O Reino Unido anunciou hoje sanções contra 33 indivíduos ligados a “referendos fraudulentos” sobre a integração na Rússia de regiões da Ucrânia sob ocupação russa.
Comentários