Euro cai para mínimo de um mês depois de eleições na Alemanha

Depois das fortes valorizações deste o início do ano, o euro está esta semana a depreciar-se face ao dólar. As eleições legislativas alemãs e a política monetária na zona euro e nos EUA deverão continuar a influenciar o mercado cambial.

A moeda única continua esta terça-feira a cair face ao dólar, ainda a ser pressionada pelas eleições legislativas na Alemanha e no dia em que os investidores esperam o discurso da presidente da Reserva Federal norte-americana.

O euro deprecia-se 0,45% para 1,1788 dólares, um valor que não tocava desde o início de agosto e a aliviar depois de ter alcançado a “barreira psicológica” dos 1,20 dólares no início de setembro. As dúvidas sobre a coligação possível para formar governo na Alemanha continuam a pairar sobre o futuro político europeu, apesar de ser certo que este será governado por Angela Merkel.

“A Alemanha continuará a ser governada por um governo pró-Europa, liderado por Merkel e mantém-se a probabilidade de um eixo Berlim-Paris próximo”, explicaram os analistas da Allianz Global Investors, a seguir à eleição. “Um euro mais fraco poderá ser positivo para as empresas exportadoras”.

Além das eleições na Alemanha, o mercado cambial está a ser influenciado pelas expetativas em relação à política monetária tanto na zona euro como nos EUA. Por um lado, o Banco Central Europeu (BCE) irá começar a retirada dos estímulos monetários na zona euro e os primeiros detalhes do plano deverão ser conhecidos já em outubro.

Por outro, a Fed anunciou na semana passada que vai reduzir o valor dos títulos do Tesouro na folha de balanço até seis mil milhões de dólares e de títulos hipotecários até quatro mil milhões de dólares, entre outubro e dezembro. Yellen discursará esta tarde numa conferência sobre a economia norte-americana e o dólar poderá aprofundar as valorizações depois das palavras da presidente da Fed.

 

Relacionadas

Eleições alemãs criam instabilidade na Europa, mas euro sai beneficiado

Apesar de a vitória de Angela Merkel ser esperada, os resultados desapontaram e a emergência da extrema-direita lançou dúvidas sobre o futuro político do país.

Draghi junta-se a Juncker na defesa de um mercado de capitais único

Presidente do BCE voltou ainda a manifestar confiança na retoma da economia da zona euro, em especial para as condições de financiamento das empresas. No entanto, lembrou que continuam a ser necessárias reformas estruturais.

Sem surpresas: Fed mantém taxas mas inicia redução do balanço em outubro

Reserva Federal norte-americana decidiu manter o intervalo da taxa diretora entre 1% e 1,25%. Programa de redução de balanço tem início no próximo mês.
Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários