Ex-governantes Manuel Pinho e Rita Barosa terão recebido milhares de euros do saco azul do GES

Os antigos governantes terão ganho, enquanto funcionários do Banco Espírito Santo, mais de 158 mil euros em 2007 e 2008 e outros 45.891 euros no ano seguinte.

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho, que governou durante o executivo de José Sócrates, e a antiga secretária de Estado da Administração Local Rita Barosa, que fez parte do governo liderado por Pedro Passos Coelho terão recebido milhares de euros do saco azul do Grupo Espírito Santo (GES).

A notícia é avançada pelo Correio da Manhã desta segunda-feira, citando os autos da designada ‘Operação Marquês’. De acordo com o CM, os antigos governantes terão ganho, enquanto funcionários do Banco Espírito Santo (BES), mais de 158 mil euros em 2007 e 2008 e outros 45.891 euros no ano seguinte.

Os nomes de Manuel Pinho e de Rita Barosa, administrador do BES e diretora financeira do banco, respetivamente, constam de documentos da ES Enterprises, empresa considerada o “saco azul” do GES. O saco azul terá sido utilizado para realizar “pagamentos não documentados e não registados nas contas do GES, com o objetivo de ocultar a sua natureza ilícita e obstar ao seu manifesto fiscal”, segundo o Ministério Público.

“Falta conhecer muitos dos beneficiários do saco azul do BES”

Relacionadas

Operação Marquês: arguidos receberam 102 milhões em subornos

O antigo primeiro-ministro José Sócrates terá recebido a maior fatia, sendo-lhe imputados pagamentos no valor de aproximadamente 37 milhões de euros.

Ricardo Salgado ameaçou divulgar pagamentos do GES a terceiros

A revelação partiu do seu primo José Maria Ricciardi, quando foi ouvido como testemunha.
Recomendadas

Emitido mandado de detenção para Vale e Azevedo

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa emitiu hoje um mandado de detenção para o antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo, alegando que se recusa a comparecer perante o juiz.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.

Operação Lex. Advogado diz que Luís Filipe Vieira “não cometeu crime nenhum”

O ex-presidente do Benfica Luís Filipe Vieira “não cometeu crime nenhum” no caso Operação Lex, defendeu hoje o advogado Raul Soares da Veiga antes da primeira sessão da fase de instrução do processo no Supremo Tribunal de Justiça (STJ).
Comentários