Exportações crescem 40,6% e importações avançam 46,4% em maio

O comércio internacional teve um avanço considerável em maio, embora o efeito preço seja bastante visível nalgumas categorias, especialmente as mais associadas a consumos energéticos, ressalva o INE.

Maio viu as exportações nacionais crescerem 40,6% em comparação com igual mês do ano passado, enquanto as importações avançaram 46,4%, segundo os dados do INE divulgados esta segunda-feira. A nota do gabinete de estatística nacional destaca os acréscimos nas exportações e importações de Fornecimentos industriais, em especial nas importações de Combustíveis e lubrificantes, que cresceram 147,8% no período em análise.

Estes resultados comparam com os crescimentos de 16,8% e 29,1% assinalados no mês anterior para as exportações e importações portuguesas, respetivamente.

“No trimestre terminado em maio de 2022, as exportações e as importações cresceram 23,3% e 35,3%, respetivamente”, acrescenta a nota.

É de notar que “cerca de metade destas variações traduzem crescimento de preços”, ressalva o INE, um cenário em linha com a subida generalizada de preços que se vem verificando na economia portuguesa e global. Assim, continua o comunicado, “os índices de valor unitário  (preços) registaram variações homólogas de 17,2% nas exportações e 24,3% nas importações”.

Um dos principais motores do crescimento deste indicador foi a rubrica de Fornecimentos industriais, que conheceu um aumento de 60,3% nas exportações e de 38,6% nas importações, em grande parte explicado pelo aumento nas importações de combustíveis e lubrificantes. Ignorando esta componente, as exportações e as importações aumentaram 35,3% e 34,4%, respetivamente.

O INE salienta ainda que “os índices de valor unitário (preços) excluindo os produtos petrolíferos registaram variações homólogas de +12,9% nas exportações e +15,2% nas importações”, sublinhando o impacto da subida dos preços dos combustíveis no comércio internacional português.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários