Exportações de vinho do Porto atingiram 330 milhões de euros em 2021 e superaram dados pré-pandemia

Segundo dados preliminares confirmados pelo presidente do IVDP ao Jornal Económico, as vendas totais de vinho do Porto no ano de 2021 deverão ter atingido um montante de 391 milhões de euros.

Segundo dados preliminares confirmados pelo presidente do  Instituto dos Vinhos do Porto e do Douro (IVDP) ao Jornal Económico, as vendas de vinho do Porto no ano de 2021 deverão ter atingido um montante de cerca de 391 milhões de euros.

Esse valor deverá ter representado um crescimento de cerca de 15% face aos 341 milhões de euros verificados no ano precedente, mas, acima de tudo, superaram os níveis pré-pandemia, em que se tinham registado vendas de cerca de 379 milhões de euros.

“No mercado nacional, continuamos com alguns problemas, em especial no canal Horeca [Hotelaria, Restauração, Cafetaria]. No ano passado, comercializámos mais de 61 milhões de euros, crescemos cerca de 15 milhões face a 2020, mas se compararmos exclusivamente em relação ao mercado nacional, ainda não conseguimos atingir os 74 milhões de euros de vendas conseguidos em 2021”, assinala Gilberto Igrejas.

Segundo o presidente do IVDP, “a conjuntura das exportações supera esta descida do mercado interno, pois esse crescimento alcançou 36 milhões de euros no ano passado”.

Nesses mercados internacionais, as grandes apostas continuam a ser o Reino Unido, Estados Unidos, França e Holanda, sendo que no ano passado o mercado norte-americano ultrapassou os Países Baixos para o último lugar do pódio.

“As perspetivas estratégicas do IVDP para 2022 assentam na sustentabilidade social, ambiental e económica e na modernização e inovação. Vamos capacitar melhor a região, aportando mais valor e mais riqueza para a região e para o País, protegendo as nossas denominações de origem controlada, sem descurar a promoção internacional, uma vez que as nossas vendas nos mercados externos cresceram fortemente”, promete Gilberto Igrejas.

Dois dias para comemorar, mas só um é oficial

Afinal, o vinho do Porto tem dois dias de comemoração durante um ano. Só um deles é oficial, marcando, a 10 de setembro, a celebração da primeira demarcação oficial da região vitivinícola do Douro, deliberada pelo Marquês de Pombal.

“O Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP) e o sector celebram o dia internacional do Vinho do Porto – ‘Port Wine Day’ a 10 de setembro, data em que foi, em 1756, instituída a Companhia Geral da Agricultura dos Vinhos do Alto Douro e demarcada a Região, tornando-se o Alto Douro Vinhateiro a mais antiga região vitícola demarcada e regulamentada do mundo”, assinala Gilberto Igrejas.

“O dia oficial do vinho do Porto é a 10 de setembro, celebrando a primeira demarcação internacional de uma região vitivinícola a nível internacional, que foi no Douro. O dia 27 de janeiro surgiu porque há uns anos houve um evento, em que o IVDP [Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto] participou, em particular para a promoção e comemoração internacional, nomeadamente no mercado dos Estados Unidos”, explica o presidente do IVDP, em declarações ao Jornal Económico.

Segundo este responsável, “o IVDP celebra anualmente o Dia do Vinho do Porto a 10 de setembro, mas o mercado americano continua a comemorar também este dia a 27 de janeiro”.

Na verdade, “todos os dias são dias de vinho do Porto”, desdramatiza Gilberto Igrejas.

 

 

Recomendadas

Ministra não prevê falta de alimentos provocada pela seca ou pela guerra

“Criámos, com toda a cadeia alimentar, desde a produção até ao retalho, grupos de acompanhamento para que não haja quebra”, apontou a ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.

Confederação do sector agrícola alerta ministra para os altos custos do gasóleo para a agricultura

“A questão da energia e em especial os custos do gasóleo para a agricultura, constituíram a parte fulcral da reunião tendo a Ministra informado a Confederação que estão em preparação novas medidas estruturais para os combustíveis”, refere a CONFAGRI.

Produção de cereais no distrito de Beja muito afetada pela seca em “ano mau”

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches (CABB), Fernando Rosário, reconheceu que este “foi um ano mau” para os cereais na área de influência da entidade, que abrange sobretudo os municípios alentejanos de Beja e Serpa.
Comentários