Facebook admite ter criado ”ambiente propício” de propagação de violência na Birmânia

A rede social assumiu que deveria ter tomado melhores providências para travar publicações que estiveram promoviam a perseguição contra o grupo religioso rohingya. Eleições de 2020 podem ser o próximo alvo.

CNN

Um relatório encomendado pela gigante tecnológica norte-americana concluiu, esta terça feira, que ”o Facebook se tornou um meio para aqueles que procuraram espalhar ódio e causar mal-estar, e as publicações estiveram relacionadas com violência fora da rede”.

O Facebook reconhece e admite que deveria ter “feito mais” para conter a disseminação de discurso de ódio na Birmânia, que acabou por ser um dos ingredientes por trás da crise humanitária da minoria rohingya. A falta de controle sobre as publicações e mensagens de incitação à violência contra minorias étnicas resultaram num ”ambiente propício” a violações de direitos humanos da população, acrescenta o relatório conduzido pela  Business for Social Responsibility (BSR)

O responsável pelas políticas de produto do Facebook, Alex Warofka, assegura que a empresa reconhece os erros cometidos. “O relatório conclui que, até ao último ano, não fizemos o suficiente para impedir que a nossa plataforma fosse usada para fomentar a divisão e incitar a violência fora da rede. Concordamos que podíamos e devíamos ter feito mais”, afirmou Warofka, através de um comunicado.

Não é a primeira vez que o Facebook assume ter errado ao não conter o discurso de ódio na Birmânia, um país onde existem 20 milhões de utilizadores da rede social, que para muitos é a principal fornecedora de informação. Em Agosto, a empresa reconheceu a lentidão “a prevenir a informação falsa e o discurso de ódio”, depois de uma investigação da ”Reuters” ter revelado mais de mil mensagens de apelo à violência contra os rohingya que continuavam alojadas na rede social.

Relacionadas

CNN, NBC, Fox e Facebook recusam publicidade racista de Trump

Vídeo para as eleições de hoje associa um mexicano condenado em 2014 à caravana que avança sobre a fronteira sul dos Estados Unidos e ao alegado laxismo dos democratas em matéria de imigração.

Hackers põem à venda mensagens privadas de 81 mil utilizadores do Facebook

Os atacantes revelaram à ”BBC Russia” que tinham detalhes de um total de ”120 milhões de contas” e que estavam a tentar vendê-las online.

Escândalo de Cambridge Analytica vai custar ao Facebook 565 mil euros

As autoridades britânicas multaram a rede social de Mark Zuckerberg, alegando que o Facebook violou a lei de proteção de dados no país. O valor da coima corresponde ao máximo que a ICO pode impor.
Recomendadas

Costa defende missão portuguesa na República Centro Africana mesmo após a saída das tropas francesas

António Costa falava aos militares da 12.ª Força Nacional Destacada, que é composta por 215 elementos, depois de ter sido recebido no campo com honras militares e de ter tirado uma fotografia de família.

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.

Presidente do Sudão do Sul compromete-se perante o Papa a desbloquear acordo de paz

“Em honra da visita histórica do Santo Padre Francisco ao nosso país, e da nossa declaração de 2023 como Ano de Paz e Reconciliação, anuncio oficialmente o levantamento da suspensão dos Diálogos de Paz de Roma com os grupos de resistência”, disse Salva Kiir, Presidente do Sudão do Sul.
Comentários