Finanças reembolsam 2.677 milhões de euros de IRS

Até 30 de junho, foram entregues cerca de 5,6 milhões de declarações de IRS.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) já reembolsou 2.677 milhões de euros de IRS aos contribuintes, informou a entidade em comunicado esta quarta-feira, 6 de julho, o que representou uma liquidação de 94% das declarações de IRS entregues até 30 de junho.

“Até 30 de junho, foram entregues cerca de 5,6 milhões de declarações de IRS pelos contribuintes, sendo que 32% foram submetidas através do IRS Automático (preenchimento automático dos dados da declaração por parte da AT, através das informações comunicadas de forma automática às Finanças) e 68% foram submetidas de forma manual”, indica o comunicado.

Das declarações que foram entregues no prazo legal, foram liquidadas cerca de 5,3 milhões, tendo sido emitidas cerca de 1,1 milhões notas de cobrança, num total de cerca de 2,3 mil milhões de euros, sendo as restantes nulas, ou seja não havendo lugar a reembolso ou nota de cobrança.

O prazo médio de pagamento de todos os reembolsos efetuados por transferência bancária está nos 18,9 dias. Os contribuintes que entregaram o IRS Automático beneficiaram de um prazo médio de pagamento de reembolso de 12,5 dias, sendo que ambos os prazos médios voltaram aos níveis pré-pandemia.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Respostas rápidas: Fisco explica como funciona taxa sobre embalagens de utilização única

Afinal, a nova contribuição sobre as embalagens de uso único aplica-se também às que sejam feitas de plástico biológica, indica o Fisco, numa série de esclarecimentos. Adianta também que a contribuição está sujeita a IVA.

Governo reforça abono de família e altera os escalões (com áudio)

Conselho de Ministros aprovou “medidas estruturais, definitivas e transformadoras” no apoio às famílias com crianças, salientou a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho.
Comentários