Fiscais da Carris vão começar a passar multas de estacionamento

Empresa irá controlar o cumprimento do Código da Estrada, principalmente nos corredores Bus. Medida foi aprovada na última quinta-feira, 15 de novembro, pela Câmara Municipal de Lisboa, com os votos contra da oposição.

A partir de agora a Carris vai poder “fiscalizar o cumprimento” do Código da Estrada, “nas vias sob jurisdição do município”, que na capital são praticamente todas. Viaturas mal paradas ou mal estacionadas estarão assim na mira da Carris, segundo revela a edição online do jornal “Expresso” este domingo.

A medida foi aprovada na última quinta-feira, 15 de novembro, pela Câmara Municipal de Lisboa, com os votos contra da oposição (PSD, CDS e PCP). A autarquia revela que pretende um “maior controlo e fiscalização dos percursos dos autocarros e elétricos da Carris, em particular nos corredores Bus”.

Na fundamentação da proposta, a CML pretende potenciar “uma mais eficiente exploração da concessão, nomeadamente no que respeita às condições de circulação nas faixas e vias reservadas ao transporte público regular de passageiros, reduzindo as perturbações na circulação, aumentando a velocidade comercial, a regularidade e a eficiência do serviço”.

Ou seja, a empresa terá desta forma meios para ‘desimpedir’ as ruas de obstáculos à fluidez dos serviços, faltando apenas definir o modelo.

Recomendadas

Greve nos consulados, embaixadas, missões diplomáticas e centros culturais de Portugal no estrangeiro

O Sindicato fala de “empobrecimento”, acusa o Governo de não ter dado até agora quaisquer garantias, o que não deixa alternativa a não ser a greve, que tem início dia já na próxima segunda-feira, 5 de dezembro.

Plataforma NAU vence Prémio ISCTE Políticas Públicas 2022

Segundo Francisco Santos, Vice-Presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que disponibiliza a plataforma, o objetivo passa por “fazer crescer a oferta e continuar a ser uma mais-valia para entidades parceiras e, acima de tudo, para os cidadãos”.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.
Comentários