Fórum Cibersegurança realiza-se esta terça-feira (com áudio)

O evento vai decorrer, a partir das 9h00, no auditório do Edifício Quelhas, do ISEG, em Lisboa, com as participações de quase duas dezenas de líderes de bancos, seguradoras, tecnológicas, sociedades de advogados, consultoras e outras empresas.

O Jornal Económico (JE) promove esta terça-feira, dia 19 de abril, o seu primeiro Fórum Cibersegurança, com uma reflexão sobre os grandes desafios que as organizações portuguesas enfrentam nesta área. Em debate estarão temas como a cibersegurança no sector financeiro, o papel das pessoas como elemento-chave para a proteção informática das organizações e a forma como as empresas portuguesas estão a lidar com o risco cibernético.

O evento vai decorrer no auditório do Edifício Quelhas, do ISEG, em Lisboa, com as participações de quase duas dezenas de líderes de bancos, seguradoras, tecnológicas, sociedades de advogados, consultoras e outras empresas.

O diretor do Jornal Económico, Filipe Alves, fará a nota de boas-vindas às 9h00, seguindo-se a intervenção de abertura da sessão por Clara Raposo, dean do ISEG, dez minutos depois. O keynote speaker será o advogado Ricardo Henriques, sócio da Abreu, que precederá ao primeiro painel no qual estarão Teresa Rosas, responsável de Tecnologias da Informação (IT) da Fidelidade, Paulo Figueiredo, Chief Technology Officer do Banco BiG, Nelson Ferreira, Branch Manager da AIG Portugal, António Gameiro Marques, diretor geral do Gabinete Nacional de Segurança (GNS). A moderação está a caro de Mariana Bandeira, jornalista do JE.

Depois da coffee break, haverá uma mesa-redonda moderada por Nuno Vinha, subdiretor do JE, sobre os recursos humanos – um tema que se torna particularmente relevante num cenário em que mais de metade (55%) dos ataques informáticos a nível global foram originados em acidentes ou erros humanos, de acordo com os dados recolhidos pelos clientes da Hiscox. A debater estão Simão de Sant’Ana, advogado principal da Abreu, Jorge Cadeireiro, administrador da Nucase, Diogo Pata, engenheiro global de Vendas na Watchgard, Nuno Nogueira, diretor executivo de Tecnologia da Decunify, e Filipe Custódio, sócio da VisionWare.

Por fim, às 12h00, num painel com a moderação de Ricardo Santos Ferreira, subdiretor do JE, estarão Pedro Latoeiro, fundador do Center for Cooperation in Cyberspace, Timóteo Menezes, Chief Information Security Officer da Edisoft, António Pinto, diretor da área de Risco Tecnológico e Cibersegurança da BDO, David Grave, consultor sénior de Cibersegurança da Claranet Portugal e Nuno Teodoro, Cybersecurity and Privacy Officer da Huawei Portugal. Neste espaço final do fórum o foco está na perceção sobre o risco por parte dos decisores das organizações portuguesas, tanto do sector público como privado.

Recomendadas

PremiumEmpresas orientadas para os dados precisam da ‘cloud’

Abel Aguiar, diretor executivo de Canal e Parceiros da Microsoft Portugal, e Sara Candeias, diretora de Sistemas de Informação, Dados e Analítica do Banco Montepio, defendem que os dados são um diferencial de competitividade.

“Um banco é uma plataforma tecnológica com serviços financeiros”, refere diretora de sistemas do Montepio

Sara Candeias apela a que as decisões de negócio venham dos dados “mais do que de uma intuição, experiência ou análise da concorrência, porque a intuição e experiência podem falhar, mas os dados não”.

“As empresas mais data-driven conseguiram suportar melhor a pandemia”, diz Microsoft Portugal

O diretor executivo de Canal e Parceiros da Microsoft Portugal, Abel Aguiar, considera que empresas viradas para os dados são capazes “de identificar, capturar, analisar diferentes tipos de dados para extrair insights e usá-los para crescer, inovar, aumentar a sua velocidade na ida ao mercado”.
Comentários