França contra metas de redução do consumo de gás na Europa

O Ministério da Energia de França considera também que as metas futuras devem ter em conta as capacidades de exportação de cada país. 

França é contra a fixação de metas uniformes para a redução do consumo de gás na Europa, disse o Ministério da Energia francês, citado pela “Reuters”.

O Ministério da Energia de França também considera que as metas futuras devem ter em conta as capacidades de exportação de cada país.

Na quarta-feira, a Comissão Europeia propôs que todos os países da UE reduzissem o uso de gás de agosto para março em 15%. A meta é inicialmente voluntária, mas eventualmente será obrigatória se a Comissão declarar emergência.

Mas, desde o início, a proposta recebeu críticas de vários países. Espanha, Portugal e Grécia estão entre os mais abertamente hostis, enquanto diplomatas dizem que Dinamarca, França, Irlanda, Itália, Malta, Holanda e Polónia também têm reservas sobre dar à Comissão o poder de decretar esses cortes.

Em Portugal, o secretário de Estado da Energia, João Galamba, admitiu que Portugal está “completamente contra” e classificou a proposta como “insustentável” porque obrigaria o país a ficar “sem eletricidade”.

Já o ministro do Ambiente defendeu à “Rádio Renascença” que a proposta da Comissão Europeia para uma meta de redução do consumo de gás na União Europeia (UE) de 15% até à primavera “não é aceitável”. “Portugal, devido à seca, produz menos energia hídrica, o que obriga a produzir mais energia por via do gás”, referiu, acrescentando que Portugal ia tentar “melhorar” a proposta de Bruxelas.

Recomendadas

Investigação sobre documentos secretos na propriedade de Trump nas “fases iniciais”

A investigação do Departamento de Justiça norte-americano sobre se o ex-presidente Donald Trump armazenou ilegalmente registos confidenciais na sua propriedade na Florida ainda está “nas suas fases iniciais”.

Estónia alvo de ciberataques russos

O grupo hacker russo Killnet já reivindicou a responsabilidade pelo ataque, segundo o “The Guardian”.

PAIGC considera ilegal decisão do juiz de impedir realização do congresso

O PAIGC denunciou o que diz ser uma decisão ilegal do Tribunal de Relação que impede o partido de realizar o seu 10.º congresso, que deveria começar na sexta-feira e vem sendo adiado há meses.
Comentários