G7: Líderes exortam China a “respeitar direitos humanos” em Xinjiang e Hong Kong

A cimeira do G7 juntou presencialmente pela primeira vez em dois anos dirigentes dos países do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) e da União Europeia.

Os líderes do G7 exortaram, este domingo, a China a “respeitar os direitos humanos” da minoria muçulmana dos uigures na província de Xinjiang e Hong Kong, mas admitiram cooperar quando for do “interesse mútuo”.

No comunicado final publicado esta tarde após o fim da reunião iniciada na sexta-feira em Carbis Bay, no sudoeste de Inglaterra, apelam à China para que respeite os direitos humanos e as liberdades fundamentais, especialmente em relação a Xinjiang e os direitos, liberdades e alto grau de autonomia de Hong Kong consagrados no Declaração Conjunta Sino-Britânica”.

Reconhecendo a potência asiática como concorrente, propõem-se a continuar a “desafiar políticas e práticas contrárias à economia de mercado”, mas manifestam-se dispostos a colaborar a nível multilateral quando for do “interesse mútuo” em questões como as alterações climáticas e a perda de biodiversidade.

Sobre a Rússia, apesar do interesse em relações estáveis e colaboração, repetiram o apelo para que “pare o seu comportamento desestabilizador e atividades malignas, incluindo a interferência nos sistemas democráticos de outros países”.

Em particular, pedem uma investigação urgente e explicações sobre “o uso de uma arma química no seu solo”, uma referência ao envenenamento do opositor Alexei Navalny, e urgem o fim da repressão contra a comunicação social e opositores ao regime.

Ainda numa mensagem a Moscovo, reiteram o apoio à “independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia” e urgem a Rússia a retirar militares e material bélico estacionado junto à fronteira oriental da Ucrânia e na península da Crimeia.

A nível da política externa, é manifestada preocupação com a violação dos direitos humanos e repressão na Bielorrússia, o conflito na região de Tigray, na Etiópia, o golpe militar no Myanmar e defendem a necessidade de reduzir a violência no Afeganistão e a continuação da desnuclearização do Irão e Coreia do Norte.

A cimeira do G7 juntou presencialmente pela primeira vez em dois anos dirigentes dos países do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) e da União Europeia.

Para esta edição foram convidados os líderes da Austrália, África do Sul, Coreia do Sul e Índia.

A reunião foi organizada pelo Reino Unido, que teve este ano a presidência rotativa, a qual estará a cargo da Alemanha em 2022.

Recomendadas

Costa defende missão portuguesa na República Centro Africana mesmo após a saída das tropas francesas

António Costa falava aos militares da 12.ª Força Nacional Destacada, que é composta por 215 elementos, depois de ter sido recebido no campo com honras militares e de ter tirado uma fotografia de família.

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.

Presidente do Sudão do Sul compromete-se perante o Papa a desbloquear acordo de paz

“Em honra da visita histórica do Santo Padre Francisco ao nosso país, e da nossa declaração de 2023 como Ano de Paz e Reconciliação, anuncio oficialmente o levantamento da suspensão dos Diálogos de Paz de Roma com os grupos de resistência”, disse Salva Kiir, Presidente do Sudão do Sul.
Comentários